Filhote de cervo abandonado é salvo no Extremo-Oeste de SC

Polícia Militar Ambiental de São Miguel do Oeste encontrou o animal no interior do município de Palma Sola e o levou para um hospital veterinário

Com aproximadamente 30 dias de vida, um bebê cervo foi encontrado por um morador do interior de Palma Sola, no Extremo-Oeste de Santa Catarina. O filhote, que foi  abandonado pela mãe, foi resgatado pela PMA (Polícia Militar Ambiental) de São Miguel do Oeste. Ele é um cervo macho.

Segundo a PMA, o filhote de cervo foi encontrado deitado à margem da estrada, aparentemente debilitado. Ele foi recolhido e encaminhado ao Hospital Veterinário da Unoesc de São Miguel do Oeste para receber os cuidados necessários. Os motivos pelos quais o animal foi abandonado não são conhecidos, uma vez que a mãe não foi vista. 

O animal foi encontrado debilitado próximo a uma estrada no interior. – Foto: PMA/ReproduçãoO animal foi encontrado debilitado próximo a uma estrada no interior. – Foto: PMA/Reprodução

Animal prematuro

De acordo com o biólogo do Hospital Veterinário da Unoesc, Jackson Preuss, o animal é prematuro e inspira cuidados, principalmente na parte nutricional. “Ele está em recuperação. Precisa de uma alimentação específica com bastante proteína. Estamos alimentando ele com leite de cabra e suplemento proteico para que ele fique forte  e consiga comer sozinho”.

Preuss esclarece que o processo de recuperação inclui manter o animal aquecido e alimentado de três em três horas para garantir o ganho de peso e o crescimento saudável. O bebê cervo ficará aos cuidados dos profissionais dos hospital veterinário até que consiga voltar à natureza.

“Quando ele estiver pronto para voltar ao seu habitat será devolvido à PMA que escolherá onde o animal será solto. Nosso objetivo é garantir a reintegração dele na natureza”, acrescenta. 

O filhote foi resgatado e está recebendo os cuidados necessários. – Foto: PMA/ReproduçãoO filhote foi resgatado e está recebendo os cuidados necessários. – Foto: PMA/Reprodução

Características

O biólogo explica que por se tratar de um animal muito jovem ainda não é possível dizer se é um veado catingueiro ou pororó. Porém, segundo Preuss, aparentemente é de pequeno porte do gênero mazama, que vivem em florestas. 

Ele se alimenta de frutos, brotos e flores e não é visto com frequência por ser um animal com excelente audição e olfato. “Isso faz com que eles percebam rápido qualquer mudança de ambiente e fujam para se proteger. Não é um animal acostumado com a presença humana”, acrescenta. 

Acesse e receba notícias de Palma Sola e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Animais