VÍDEO: Cão que matou bebê em SC passa por testes e está apto para adoção

Cadela sem raça definida está em um centro de treinamento, em Biguaçu, desde o dia 30 de agosto; pelo menos duas famílias demonstraram interesse no animal

O cachorro que atacou e matou um bebê recém-nascido em Biguaçu, na Grande Florianópolis, está apto para adoção. A cadela sem raça definida está em um centro de treinamento do município desde o dia 30 de agosto.

Cadela Rayska está apta para adoção – Foto: Divulgação/NDCadela Rayska está apta para adoção – Foto: Divulgação/ND

O animal passou por um período de adaptação e por atividades de adestramento. De acordo com Anderson Ross, adestrador e proprietário do centro de treinamento, até o momento, a cadela não demonstrou traços de agressividade.

O adestrador atesta que o animal já está pronto para ser encaminhado a um novo lar. Segundo ele, pelo menos duas famílias já demonstraram interesse em adotá-lo.

Anderson diz que os primeiros dias no centro de treinamento foram de adaptação. Testes realizados, inclusive, com crianças, transcorreram sem transtornos, conforme o empresário. Reportagem do ND+ detalhou o processo de adestramento.

Rotina fixa

As duas cadelas que pertenciam à família moradora de Biguaçu foram encaminhadas ao centro de treinamento. O animal que avançou no bebê tem a cor preta, porte médio, de dois a três anos, e se chama Rayska. A outra cadela tem a cor branca e caramelo, é idosa e se chama Mel.

Veja o vídeo das duas cadelas no centro de treinamento:

Cadela Rayska (preta) e Mel (branca e caramelo) no centro de treinamento em Biguaçu – Vídeo: Divulgação/ND

Ambas possuem uma rotina fixa. São soltas pela manhã nas dependências do centro de treinamento, correm, brincam e são novamente colocadas no canil. À tarde, os animais passeiam na rua e interagem com outras pessoas.

Na sequência, retornam ao centro, onde brincam por mais um tempo para, então, irem dormir. “As cadelas estão muito diferentes de quando chegaram aqui. Eram agitadas. Agora, elas têm espaço para interagir e gastar energia”, avalia Ross.

Condições para adoção

Anderson Ross explica que há determinadas condições para a adoção das duas cadelas. Com relação a Rasyka, o adestrador diz que o ideal é que ela vá para uma família que já possua outro cachorro. Isso porque ela interage bem com outros animais.

Já a cadela Mel, por ser mais idosa e dominante, o adestrador indica a uma família sem outros animais. No entanto, demonstrar interesse não é o suficiente para a adoção.

“Vamos verificar a rotina da família. Tem que ter tempo e dedicação ao cachorro. Sair para passear e interagir com animal. As cadelas precisam de afeto e dedicação para que não ocorram problemas futuramente. A Rasyka se mostrou uma cadela muito companheira”, afirma Ross.

Caso as adoções não se concretizem, o empresário diz que as cadelas vão permanecer no centro de treinamento. “Não temos pressa para a adoção. Elas vão poder ficar conosco por tempo indeterminado”, conclui.

Relembre o caso

O caso que chocou a região da Grande Florianópolis aconteceu no dia 14 de agosto. Um inquérito policial foi aberto para investigar as circunstâncias do ataque. De acordo com o delegado Rodrigo Dantas, as duas cadelas brigaram enquanto os donos entregavam a comida.

Em seguida, o casal proprietário tentou separar a briga, mas um dos animais entrou na residência e avançou na criança de apenas 23 dias, que estava no sofá. O bebê foi levado ao hospital em estado gravíssimo. No entanto, a morte foi confirmada ainda na tarde do dia do ataque.

A equipe de investigação esteve no local onde o bebê morreu para apurar se os cães sofriam maus-tratos, mas a possibilidade foi descartada. Inicialmente, a Polícia Civil havia atribuído a autoria do ataque ao bebê a um cão da raça Chow-Chow. A informação, no entanto, foi corrigida.

Com dificuldades para doar os animais, os pais da criança buscaram auxílio da prefeitura municipal. Com o apoio da Famabi (Fundação Municipal do Meio Ambiente de Biguaçu), os cães foram encaminhados à Unidade de Vigilância de Zoonoses do município, onde foram castrados.

Posteriormente, as duas cadelas foram encaminhadas ao centro de treinamento.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Animais

Loading...