Altair Magagnin

altair.magagnin@ndmais.com.br Não é só sobre política. É sobre o impacto das decisões públicas na tua vida. Jornalista profissional com experiência multimídia, acompanha os bastidores do poder e traz análises e notícias exclusivas. Siga @altamagagnin nas redes.


Centro Leste de Florianópolis trará conexão entre antigo e contemporâneo, com ou sem Dilma

Fora o detalhe da ex-presidente, que aparece na maquete digital do projeto feito pela Prefeitura de Florianópolis, reduto boêmio e da inovação de Santa Catarina merece olhar especial do poder público

Com ou sem a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e seu falecido cachorro Nego, o Centro Leste de Florianópolis merece ganhar uma cara nova. A região é um reduto boêmio da Capital de Santa Catarina e também é espaço de fomento à inovação e à economia criativa. O assunto foi discutido nesta segunda-feira no “SC do Ar“, da NDTV; veja.

Altair Magagnin e Márcia Dutra comentam o assunto – Vídeo: NDTV

Nada mais apropriado que aplicar a tendência global de humanização dos espaços públicos, dando prioridade para as pessoas e os meios de locomoção mais sustentáveis, em detrimento ao carro ocupado geralmente por uma única pessoa.

A região têm muitos problemas, que ocorreram justamente pela falta de uma atenção especial dos entes públicos.

Que o novo Centro Leste possa se tornar referência nacional em ocupação urbana sustentável, que traga uma convivência harmônica entre o antigo e o novo, com respeito ao patrimônio cultural e conexão com os usos contemporâneos.

Imagem de Dilma Rousseff e cachorro labrador Nego aparece no canto direito, atravessando a rua Tiradentes, no projeto de revitalização do Centro Leste de Florianópolis – Foto: Reprodução/NDImagem de Dilma Rousseff e cachorro labrador Nego aparece no canto direito, atravessando a rua Tiradentes, no projeto de revitalização do Centro Leste de Florianópolis – Foto: Reprodução/ND

Entenda o “passeio” da ex-presidente Dilma em Florianópolis

Um olhar atento sobre o projeto de revitalização do Centro Leste de Florianópolis percebe a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e o cachorro labrador Nego atravessando a rua Tiradentes. A imagem foi publicada pelo prefeito Gean Loureiro (DEM) para ilustrar a obra de humanização de parte do Centro Histórico da Capital.

“O projeto busca favorecer o caminhar urbano, o acesso ao patrimônio e a dinâmica de diferentes atividades. Busca equilibrar o antigo e o novo, com manutenção de elementos históricos mas com a inclusão de planos caminháveis”, disse o prefeito de Florianópolis.

Dilma Rousseff no Centro Leste – Foto: NDTVDilma Rousseff no Centro Leste – Foto: NDTV

Sacrifício do animal virou investigação na polícia

O cachorro Nego foi um presente do então ministro José Dirceu (PT), quando Dilma assumiu a chefia da Casa Civil do governo Lula (PT), em 2005.

A morte de Nego é polêmica. Em setembro de 2016, o deputado federal Ricardo Izar (PP-SP), presidente da Frente em Defesa dos Animais na Câmara dos Deputados, fez um discurso acusando Dilma pela morte de Nego.

Um ano depois, em novembro de 2017, com autorização do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o caso virou um inquérito na Polícia Civil do Distrito Federal. Não há registro de maiores desdobramentos.

Conforme reportagem da “Gazeta do Povo”, morte do cachorro Nego é investigada pela Polícia Civil do Distrito Federal, foto usada no projeto é de Sergio Dutti, da agência de notícias do jornal “O Estado de S.Paulo”.

Campanha para achincalhar imagem

Diante da repercussão dos fatos, a ex-presidente se manifestou, por meio da assessoria. Disse ser alvo de uma perseguição, de uma campanha hedionda que visa achincalhar sua imagem.

Conforme reportagem da “Gazeta do Povo”, morte do cachorro Nego é investigada pela Polícia Civil do Distrito Federal, foto usada no projeto é de Sergio Dutti, da agência de notícias do jornal “O Estado de S.Paulo” – Foto: Reprodução/NDConforme reportagem da “Gazeta do Povo”, morte do cachorro Nego é investigada pela Polícia Civil do Distrito Federal, foto usada no projeto é de Sergio Dutti, da agência de notícias do jornal “O Estado de S.Paulo” – Foto: Reprodução/ND

Em nota, afirmou que conviveu durante 12 anos com Nego, de 2003 a 2016, e que o labrador era “um cachorro excepcional, companheiro e inteligente”.

Também conforme a ex-presidente, a partir de 2015, Nego passou a apresentar displasia coxo-femural – doença típica dos labradores – além de mielopatia degenerativa. Com isso, o cachorro tinha dificuldade em andar, sofria, e houve recomendação veterinária para sacrificá-lo.

“A presidenta relutou e adiou o quanto pode, com a esperança de uma recuperação da saúde do labrador. E isso, infelizmente, não veio a ocorrer. Nego foi sacrificado, para tristeza de Dilma Rousseff em setembro do ano passado [2016]”.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...