João Paulo Messer

messer@ndtv.com.br Política, economia, bastidores e tudo que envolve o cotidiano e impacta na vida do cidadão de Criciúma e região.


De volta à vida normal: Natal em Criciúma teve vaia, protesto e palco instável

O que era para ser a noite do papai-noel se transformou num ato de festa, emoção, vaia, protesto e tensão

Na noite desta sexta-feira (26) Criciúma preparou um clima festivo para recepcionar o papai-noel. Na praça do Congresso, na área central da cidade teve atrações como a Camerata de Florianópolis, a presença do “bom velhinho” entre outras. O que a administração não esperava eram os protestos, as vaias durante o discurso do prefeito e principalmente que a arquibancada móvel cedesse como ocorreu.

A parte da arquibancada que cedeu foi interditada pela Defesa Civil do município. – Foto: Redes sociaisA parte da arquibancada que cedeu foi interditada pela Defesa Civil do município. – Foto: Redes sociais

O incidente da arquibancada ocorreu porque choveu forte durante o dia, depois da montagem da estrutura metálica, segundo o Diretor da Defesa Civil, Fred Gomes. Ele disse que a estrutura tinha o documento de engenharia identificado como “ART” e que isso não deveria ter ocorrido. O que cedeu foi a parte central, onde havia cerca de cem pessoas. Por isso a arquibancada foi interditada e o espetáculo seguiu. Tudo aconteceu antes do início das apresentações.

Durante o discurso do prefeito Clésio Salvaro, um grupo identificado como defensores do Morro do Céu, reagiu com vaias e cartazes. Isso porque o governante municipal reverteu uma lei que criava um parque municipal e a consequente indenização dos proprietários de áreas atingidas.

O prefeito obteve o aplauso do público presente quando usou a estratégia de “colar” os manifestantes a movimentos de esquerda. Foi quando ele disse que é dos tempos em que “menino é menina e menina é menina”, uma fala aparentemente desconexa com a ocasião, mas entendida no âmbito local como o rótulo de que os manifestantes sejam militantes de esquerda.

O fato é que estes manifestantes não tem vinculação partidária ou identificação ideológica, mas sim são interessados nas indenizações da área ou apenas defensores de um parque municipal na área central da cidade.

O governo garante que reverteu as indenizações porque elas foram transformadas em uma grande negociação imobiliária que geraria um impacto financeiro na ordem de R$ 130 milhões aos cofres do município.

Ao longo da noite as apresentações natalinas mostraram uma cidade em clima natalino.

Loading...