33 Giga

Blog de tecnologia com serviços e notícias quentes da área. Dicas, tutoriais, testes e muito mais, de forma simples e descomplicada.

Biogon 5.6/60: a lente que fotografou chegada do homem à Lua

Biogon 5.6/60: a lente que fotografou chegada do homem à Lua - NASA/Project Apollo Archive

Biogon 5.6/60: a lente que fotografou chegada do homem à Lua - NASA/Project Apollo Archive

style=”font-weight: 400;”>Apesar de 50 anos terem se passado desde o primeiro pouso na Lua, em 20 de julho de 1969, as imagens não perderam o seu fascínio. Os registros capturados durante as missões Apollo são a principal razão para o momento estar gravado na memória coletiva. Essas foram as primeiras fotografias feitas na superfície lunar e a imagem da Terra vista da Lua continua a inspirar pessoas de todas as gerações. São registros históricos e que foram realizados por câmeras com lentes fotográficas desenvolvidas pela ZEISS.

Leia mais: 
Site revela quais tecnologias desenvolvidas pela NASA você usa no dia a dia
Fotos incríveis de estrelas, galáxias e da Terra vista do espaço

A chegada do homem à Lua foi o primeiro evento de mídia global. De acordo com os relatos da época, a audiência atingiu índices de 50% em todo o mundo, o que significa que mais de 500 milhões de pessoas acompanharam o evento ao vivo pela televisão. Muitos ainda sabem exatamente onde estavam quando tudo aconteceu. Jornais e revistas fizeram edições especiais com as primeiras imagens coloridas registradas pelo homem. Juntamente com os primeiros rolos das filmagens feitas na Lua, essas fotografias colecionáveis são altamente cobiçadas hoje, entre especialistas e pessoas comuns.

A história da fotografia no espaço decolou com os programas Mercury (1962) e Gemini (1964), que precederam as missões Apollo. Cada vez mais, as lentes fotográficas eram usadas na órbita da Terra. Durante esses anos, os laboratórios da ZEISS refinaram ainda mais sua tecnologia e projetaram lentes de câmeras fotográficas prontas para enfrentar os desafios apresentados pelo espaço.

Sob medida para a Lua

Em outubro de 1968, a ZEISS recebeu o pedido de uma lente para a máquina fotográfica que seria usada no pouso na Lua, que estava agendado para apenas nove meses mais tarde, como parte da missão Apollo 11. “O tempo para o desenvolvimento foi extremamente curto”, diz o Dr. Vladan Blahnik, que trabalha em pesquisa e desenvolvimento na ZEISS.

Os dados ópticos para o modelo anterior da ZEISS Biogon 4.5 / 38 ainda precisavam ser calculados manualmente, um processo extremamente demorado. No entanto, um computador mainframe ajudou a determinar os parâmetros matemáticos para a ZEISS Biogon 5.6 / 60, a lente da câmera projetada para o pouso na Lua, em apenas algumas semanas. O Dr. Erhard Glatzel (1925-2002), um dos principais matemáticos do departamento de design óptico da ZEISS, recebeu o Prêmio Apollo Achievement por esse trabalho e o desenvolvimento de outras lentes fotográficas especiais para fotografia espacial.

A “Lente Lua” Biogon 5.6 / 60 customizada da ZEISS tinha que atender a vários requisitos. Embora devesse funcionar em uma câmera fácil de usar, também precisava mapear com precisão a superfície lunar ao redor do local de pouso. “Eles decidiram por uma câmera equipada com uma placa Reseau, que criava uma grade de marcas cruzadas nas imagens. Isso tornou possível calcular as distâncias entre objetos individuais na Lua”, explica Blahnik. “O design simétrico especial da lente da câmera forneceu uma excelente correção para distorções e todos os outros erros de imagem.” Uma linha reta permanece uma linha reta. As imagens têm ótima definição e contraste de borda a borda.

As lentes para câmeras fotográficas foram uma pequena, mas significante contribuição para a missão lunar Apollo 11. E, incidentalmente, as câmeras fotográficas com as lentes ZEISS ainda estão na Lua, porque na jornada de volta os astronautas queriam salvar cada grama para trazer o máximo possível de amostras de rochas lunares. Apenas o valioso filme fotográfico exposto retornou à Terra.

As condições e o resultado

O Dr. Vladan Blahnik explicou os desafios tecnológicos e fotográficos da missão lunar em uma entrevista à ZEISS. Confira:

Como os astronautas se prepararam para usar a câmera?

Como eram engenheiros e pilotos, em vez de fotógrafos profissionais, eles receberam um treinamento especial. Eles tiveram que aprender a fotografar mais ou menos às cegas, pois o capacete tornava impossível olhar através do visor da câmera. Em vez disso, eles tiveram que memorizar a seção da imagem capturada pela “Lente Lua”. Os temas e ângulos desejados foram escritos em suas luvas, como em um roteiro, então eles tinham uma lista de verificação para não se esquecerem de nada.

Poeira lunar e condições de iluminação – em que os astronautas tiveram que prestar atenção?

Eles precisavam ter certeza de que a poeira não borraria as imagens. Durante suas 2,5 horas de caminhada na Lua, os astronautas continuaram retornando ao módulo lunar para limpar as lentes. E, felizmente, as condições de iluminação eram fáceis de prever na ausência de qualquer atmosfera ou clima. Assim, as configurações da câmera eram, na maioria das vezes, definidas com antecedência e depois levemente adaptadas de acordo com a posição relativa ao sol.

Como você avaliaria a qualidade ótica das fotografias?

A definição e o brilho das imagens tiradas na superfície da Lua falam por si. Em uma foto como “Homem na Lua”, que foi grandemente ampliada posteriormente, pequenas seções de imagem, como as minúsculas letras na roupa do astronauta, ainda possuem alta definição e contraste. As fotografias panorâmicas detalhadas nos permitiram criar um mapa exato do local de pouso. A qualidade do equipamento fotográfico, bem como adaptá-lo para facilidade de uso em circunstâncias tão difíceis, foram a base para muitas imagens icônicas capturadas durante a missão lunar.

Biogon 5.6/60: a lente que fotografou chegada do homem à Lua

50 imagens de missões espaciais do Programa Apollo: - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

50 imagens de missões espaciais do Programa Apollo: - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

 - Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

- Crédito: Project Apollo Archive/33Giga/ND

Mais Conteúdo