33 Giga

Blog de tecnologia com serviços e notícias quentes da área. Dicas, tutoriais, testes e muito mais, de forma simples e descomplicada.

Biometria: mitos, verdades e curiosidades sobre a tecnologia

Biometria: mitos, verdades e curiosidades sobre a tecnologia - Pixabay

Biometria: mitos, verdades e curiosidades sobre a tecnologia - Pixabay

A biometria tem experimentado um crescimento exponencial em diferentes setores de serviço e comércio. A expectativa é que até 2023 o investimento nesta tecnologia supere US$ 51 bilhões, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado Research and Markets. No ano passado foram gastos cerca de US$ 39 bilhões em equipamentos e pesquisas, o que significa que o aumento possível até 2023 é de cerca de 22%.

Como qualquer novidade tecnológica, a biometria suscita dúvidas e questionamentos por parte da população. Afinal de contas, ela usa características pessoais (como digitais dos dedos, íris dos olhos, face) para distinguir um indivíduo do outro. Ao mesmo tempo em que gera admiração em alguns e torna mais prática atividades cotidianas,  mitos e desinformações são difundidos.

No Brasil, especificamente, uma das áreas em que o assunto está sendo mais debatido é em relação às eleições. Desde 2008 a Justiça Eleitoral tem coletado as digitais de brasileiros em municípios de todo o País. A ideia é criar um banco de dados dos eleitores para que ocorrências de fraudes diminuam no período eleitoral. Entre as cidades onde o cadastramento é obrigatório, mais de 30% da população ainda não compareceu à Justiça Eleitoral.

A especialista em infraestrutura de TI e CEO da it.line, Sylvia Bellio, afirma que, além das pessoas não terem feito o cadastro por preferirem postergar, também existem outras causas. “A biometria está bastante difundida hoje, sendo usada para desbloquear celulares, acessar portarias em condomínios e nas eleições. Apesar disso, ainda há muitos mitos que circulam por aí que acabam gerando desconfiança e desconforto nas pessoas.”

Leia mais
Reconhecimento facial: bar em SP tem tecnologia que “adivinha” idade, humor e gênero dos clientes
Não quer que leiam suas mensagens no WhatsApp? Novo recurso bloqueia app com biometria
Reconhecimento facial x Invasão de privacidade: até que ponto a tecnologia é segura?

Mitos e verdades

De acordo com o levantamento Panorama Mobile Time/Opinion Box, 90% dos brasileiros entrevistados disseram achar a biometria mais simples de usar do que senhas alfanuméricas, por exemplo. Apesar do número impressionante, somente 27% utilizam a biometria como método de desbloqueio no smartphone. Os dados também apontam que a maior parte das pessoas que não usa a biometria está na faixa etária dos 50 anos ou mais.

Sylvia ressalta que é importante elucidar alguns mitos que acabam circulando e fazendo com que as pessoas não adotem a biometria:

1. A biometria de um dedo decepado pode ser usada?

“Esse é um mito divulgado por filmes e que acabou se tornando verdade para algumas pessoas. O fato é que não é possível utilizar um dedo decepado para se identificar. Hoje, os sistemas também calculam questões como batimentos cardíacos e fluxo sanguíneo da parte que está sendo escaneada.”

2. É possível pegar doenças a partir do escaneamento do sistema biométrico?

“Não existem pesquisas científicas que comprovem que alguma pessoa ficou doente por realizar leitura biométrica em algum sistema que exija contato direto. Em locais que não há contato, como os que realizam leitura de íris, essa possibilidade inexiste.”

3. Após realizar o cadastro biométrico, as identidades podem ser roubadas dos sistemas?

“A probabilidade de identidades cadastradas em sistemas de biometria serem roubadas por hackers é mínima. O armazenamento dos dados das digitais dos dedos, da face, são transformados em um complexo código binário que é totalmente encriptado. A decodificação desses dados é praticamente impossível, o que torna a biometria uma das formas de identificação mais seguras da atualidade.”

4. A biometria é cara e só pode ser utilizada por grandes empresas?

“Isso já foi verdade há alguns anos, mas mudou. Como toda tecnologia, a biometria foi sendo barateada após as constantes evoluções e modernizações. Atualmente, até mesmo pequenos empreendimentos podem usar equipamentos do tipo. Esse é o exemplo de portarias por biometria em prédios e até relógios de ponto, que podem ser encontrados a menos de R$ 300 no mercado.”

Curiosidades

A difusão da biometria atualmente é grande e tem auxiliado setores diferentes. Além disso, a tecnologia também é muito mais do que apenas identificação facial e digital dos dedos. Sylvia elencou alguns avanços na sua utilização:

Identificação de bebês: o Ministério da Saúde editou, em 2018, uma Medida Provisória que tornou obrigatório o registro biométrico de bebês nas maternidades. A decisão visa prevenir a troca de crianças e ainda inibe a prática de crimes como roubos de recém-nascidos.

Reconhecimento das redes sociais: desde 2010, o Facebook utiliza uma tecnologia de reconhecimento facial para sugerir quais amigos seus estão em determinadas fotos. Como o programa sabe disso? A cada marcação feita anteriormente, o usuário dá exemplos de como são os rostos dos seus conhecidos. A partir de outra tecnologia, chamada de machine learning, os sistemas acabaram aprendendo sobre a aparência física de cada um e já conseguem distinguir quem é quem.

Reconhecimento pela digitação: uma característica bastante pessoal e única é a forma em que cada pessoa digita no teclado do computador. Cada indivíduo tecla em uma velocidade específica, usando dedos específicos, aperta os botões com força diferente. Esse tipo de biometria está na lista das comportamentais, que também são os casos da biometria por modo de caminhar e estilo de assinatura.

Identificação de cidadãos e localização de criminosos foragidos: alguns países, incluindo o Brasil, já possuem bancos de dados digitais de pessoas com problemas na Justiça. Neste caso, é utilizado o sistema de reconhecimento facial. Os rostos dos criminosos ficam em um banco de dados e câmeras espalhadas pelas cidades conseguem checar o grau de semelhança das pessoas que estão sendo filmadas com o que está no sistema. Em setembro, três pessoas foram detidas próximas ao Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ), quando aguardavam para assistir a uma partida de futebol. Duas possuíam mandados de prisão em aberto e a outra tinha um mandado de busca e apreensão.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Na galeria, você conhece hackers famosos por suas façanhas ilegais:

Hackers famosos: Kevin Mitnick – O norte-americano que invadiu a Nokia, IBM e Motorola quando tinha 15 anos, se tornou o primeiro hacker a estar entre os 10 criminosos mais procurados pelo FBI. Viveu clandestinamente em Israel e só foi preso depois que outro hacker o delatou, em 1995. Passou cinco anos na cadeia. Ao ser liberado, ficou três anos sem poder usar a internet. Sua história virou livro e depois foi transformada em um filme chamado de “Caçada Virtual”. - Crédito: campuspartymexico on Visualhunt.com / CC BY/33Giga/ND

Hackers famosos: Kevin Mitnick – O norte-americano que invadiu a Nokia, IBM e Motorola quando tinha 15 anos, se tornou o primeiro hacker a estar entre os 10 criminosos mais procurados pelo FBI. Viveu clandestinamente em Israel e só foi preso depois que outro hacker o delatou, em 1995. Passou cinco anos na cadeia. Ao ser liberado, ficou três anos sem poder usar a internet. Sua história virou livro e depois foi transformada em um filme chamado de “Caçada Virtual”. - Crédito: campuspartymexico on Visualhunt.com / CC BY/33Giga/ND

Robert Tappan Morris – Criou o primeiro vírus tipo Worm, que faz cópias de si mesmo automaticamente, passando de um computador para o outro. Afetou cerca de 6 mil computadores em 1988. Foi a primeira pessoa a ser condenada pela lei de Abuso e Fraude de Computadores, mas não cumpriu pena. Ele pagou multa de US$ 10 mil e prestou 400 horas de serviços comunitários. Ironicamente, seu pai fazia parte do Centro Nacional de Segurança Computacional dos Estados Unidos. - Crédito: Domínio Público/33Giga/ND

Robert Tappan Morris – Criou o primeiro vírus tipo Worm, que faz cópias de si mesmo automaticamente, passando de um computador para o outro. Afetou cerca de 6 mil computadores em 1988. Foi a primeira pessoa a ser condenada pela lei de Abuso e Fraude de Computadores, mas não cumpriu pena. Ele pagou multa de US$ 10 mil e prestou 400 horas de serviços comunitários. Ironicamente, seu pai fazia parte do Centro Nacional de Segurança Computacional dos Estados Unidos. - Crédito: Domínio Público/33Giga/ND

Gary McKinnon – Hacker escocês que invadiu servidores da NASA para encontrar documentos que provassem a existência de extraterrestres. No entanto, aproveitou a deixa para excluir informações, softwares e arquivos importantes do governo norte-americano, causando prejuízos estimados em US$ 700 mil. Foi detido em 2002, mas respondeu pelos cibercrimes em liberdade condicional. Ele alega ter encontrado imagens de OVNIs nos arquivos da agência. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Gary McKinnon – Hacker escocês que invadiu servidores da NASA para encontrar documentos que provassem a existência de extraterrestres. No entanto, aproveitou a deixa para excluir informações, softwares e arquivos importantes do governo norte-americano, causando prejuízos estimados em US$ 700 mil. Foi detido em 2002, mas respondeu pelos cibercrimes em liberdade condicional. Ele alega ter encontrado imagens de OVNIs nos arquivos da agência. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Kevin Poulsen – Famoso por interceptar linhas telefônicas, ganhou notoriedade quando hackeou uma promoção realizada pela rádio Kiss, na Califórnia (EUA). Seu objetivo era garantir que seria o 102º ouvinte a ligar para a empresa e ganhar um Porsche. Kevin ganhou o carro, mas foi preso em 1991 – um ano após o ocorrido – pelo FBI. Cumpriu pena por cinco anos e foi proibido de usar a internet por três anos. - Crédito: Almudena Fndez on Visualhunt.com / CC BY-SA/33Giga/ND

Kevin Poulsen – Famoso por interceptar linhas telefônicas, ganhou notoriedade quando hackeou uma promoção realizada pela rádio Kiss, na Califórnia (EUA). Seu objetivo era garantir que seria o 102º ouvinte a ligar para a empresa e ganhar um Porsche. Kevin ganhou o carro, mas foi preso em 1991 – um ano após o ocorrido – pelo FBI. Cumpriu pena por cinco anos e foi proibido de usar a internet por três anos. - Crédito: Almudena Fndez on Visualhunt.com / CC BY-SA/33Giga/ND

Raphael Gray – Aos 19 anos, este hacker britânico foi condenado por roubar 23 mil números de cartões de crédito. Entre eles, estava o de Bill Gates. Aliás, o jovem encomendou Viagra e mandou entregar na residência do proprietário da Microsoft. Raphael também divulgou as combinações em sites. Sua ideia era mostrar quão inseguras podiam ser páginas de e-commerce. Foi condenado a três anos de trabalhos sociais e tratamento psiquiátrico. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Raphael Gray – Aos 19 anos, este hacker britânico foi condenado por roubar 23 mil números de cartões de crédito. Entre eles, estava o de Bill Gates. Aliás, o jovem encomendou Viagra e mandou entregar na residência do proprietário da Microsoft. Raphael também divulgou as combinações em sites. Sua ideia era mostrar quão inseguras podiam ser páginas de e-commerce. Foi condenado a três anos de trabalhos sociais e tratamento psiquiátrico. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

David Smith – Criador do vírus Melissa, que provocou danos de US$ 80 milhões e desativou redes de computadores ao redor do mundo em 1999. Foi uma das primeiras pragas capazes de se espalhar sem ser detectada, por meio de e-mails aparentemente enviados por amigos dos usuários. O hacker foi condenado a 20 meses de prisão, além de uma multa de US$ 5 mil. Curiosidade: o nome do vírus é uma homenagem a uma stripper que David conheceu na Flórida (EUA). - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

David Smith – Criador do vírus Melissa, que provocou danos de US$ 80 milhões e desativou redes de computadores ao redor do mundo em 1999. Foi uma das primeiras pragas capazes de se espalhar sem ser detectada, por meio de e-mails aparentemente enviados por amigos dos usuários. O hacker foi condenado a 20 meses de prisão, além de uma multa de US$ 5 mil. Curiosidade: o nome do vírus é uma homenagem a uma stripper que David conheceu na Flórida (EUA). - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Adrian Lamo – Tornou-se famoso após invadir a rede The New York Times apenas para colocar seu nome como um dos colaboradores. O jornal denunciou o hacker para o FBI. Lamo confessou a invasão, além de afirmar que entrou nas redes de computadores do Yahoo, da Microsoft, da MCI WorldCom, da Excite@Home, e das empresas de telefonia SBC, Ameritech e Cingular. Recebeu a sentença de seis meses de prisão domiciliar e mais dois anos de liberdade vigiada. - Crédito: Domínio Público/33Giga/ND

Adrian Lamo – Tornou-se famoso após invadir a rede The New York Times apenas para colocar seu nome como um dos colaboradores. O jornal denunciou o hacker para o FBI. Lamo confessou a invasão, além de afirmar que entrou nas redes de computadores do Yahoo, da Microsoft, da MCI WorldCom, da Excite@Home, e das empresas de telefonia SBC, Ameritech e Cingular. Recebeu a sentença de seis meses de prisão domiciliar e mais dois anos de liberdade vigiada. - Crédito: Domínio Público/33Giga/ND

George Hotz – Este hacker tinha apenas 17 anos quando burlou o sistema do iPhone um mês após seu lançamento, sendo o primeiro a realizar o feito. Depois, também conseguiu quebrar o código do Playstation 3, invadir a rede e roubar informações de 77 milhões de usuários. A Sony levou George ao tribunal e, antes do veredicto do juiz, ambos chegaram a um acordo que não foi divulgado. - Crédito: TechCrunch on VisualHunt / CC BY/33Giga/ND

George Hotz – Este hacker tinha apenas 17 anos quando burlou o sistema do iPhone um mês após seu lançamento, sendo o primeiro a realizar o feito. Depois, também conseguiu quebrar o código do Playstation 3, invadir a rede e roubar informações de 77 milhões de usuários. A Sony levou George ao tribunal e, antes do veredicto do juiz, ambos chegaram a um acordo que não foi divulgado. - Crédito: TechCrunch on VisualHunt / CC BY/33Giga/ND

François Cousteix – Este francês ganhou fama após invadir diferentes contas do Twitter, incluindo a de Barack Obama, Britney Spears e do próprio CEO do microblog, Evan Williams. A ação do hacker chamou a atenção do FBI, que colaborou com a polícia francesa para prendê-lo em 2010, um ano após realizar o feito. François foi condenado a cinco meses de liberdade vigiada. - Crédito: Frédéric Stucin/33Giga/ND

François Cousteix – Este francês ganhou fama após invadir diferentes contas do Twitter, incluindo a de Barack Obama, Britney Spears e do próprio CEO do microblog, Evan Williams. A ação do hacker chamou a atenção do FBI, que colaborou com a polícia francesa para prendê-lo em 2010, um ano após realizar o feito. François foi condenado a cinco meses de liberdade vigiada. - Crédito: Frédéric Stucin/33Giga/ND

Jeanson James Ancheta – Primeiro hacker condenado por comandar uma rede de computadores fantasmas, mais conhecida como botnet. Seu objetivo era danificar sistemas e enviar volumes imensos de spam pela internet. Cerca de 400 mil máquinas foram infectadas. Em 2005, foi preso pelo FBI e condenado a 57 meses. Após o fim do período, passou mais três anos em liberdade vigiada e com acesso a computadores e à internet. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Jeanson James Ancheta – Primeiro hacker condenado por comandar uma rede de computadores fantasmas, mais conhecida como botnet. Seu objetivo era danificar sistemas e enviar volumes imensos de spam pela internet. Cerca de 400 mil máquinas foram infectadas. Em 2005, foi preso pelo FBI e condenado a 57 meses. Após o fim do período, passou mais três anos em liberdade vigiada e com acesso a computadores e à internet. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Michael Calce – Aos 15 anos, este hacker canadense descobriu como assumir o controle de redes de computadores e utilizou seus conhecimentos para invadir o sistema de grandes empresas como Yahoo, Dell, eBay, CNN e Amazon. À época, o então presidente norte-americano Bill Clinton criou uma equipe de cibersegurança para caçá-lo. Em 2001, a corte juvenil canadense sentenciou Michael a oito meses sob custódia e a um uso restrito da internet. - Crédito: Divulgação /33Giga/ND

Michael Calce – Aos 15 anos, este hacker canadense descobriu como assumir o controle de redes de computadores e utilizou seus conhecimentos para invadir o sistema de grandes empresas como Yahoo, Dell, eBay, CNN e Amazon. À época, o então presidente norte-americano Bill Clinton criou uma equipe de cibersegurança para caçá-lo. Em 2001, a corte juvenil canadense sentenciou Michael a oito meses sob custódia e a um uso restrito da internet. - Crédito: Divulgação /33Giga/ND

Albert Gonzalez – Líder de um grupo global que roubou mais de 40 milhões de números de cartão de crédito, invadindo sistemas de varejistas. Costumava ostentar o dinheiro ficando em hotéis de luxo e dando festas milionários. Conseguiu driblar as autoridades durante um tempo usando nomes de outros membros de sua gangue. Acabou sendo preso em 2008 e foi condenado a 20 anos de cárcere. - Crédito: Domínio Público /33Giga/ND

Albert Gonzalez – Líder de um grupo global que roubou mais de 40 milhões de números de cartão de crédito, invadindo sistemas de varejistas. Costumava ostentar o dinheiro ficando em hotéis de luxo e dando festas milionários. Conseguiu driblar as autoridades durante um tempo usando nomes de outros membros de sua gangue. Acabou sendo preso em 2008 e foi condenado a 20 anos de cárcere. - Crédito: Domínio Público /33Giga/ND

Vladimir Levin – Esse hacker russo foi o cérebro por trás de um ataque aos computadores do Citybank em 1995. Ele conseguiu desviar US$ 10 milhões, mas foi preso na Inglaterra pela Interpol quando tentava fugir do país. Passou três anos na cadeia e teve que pagar uma indenização de US$ 240 mil ao banco. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Vladimir Levin – Esse hacker russo foi o cérebro por trás de um ataque aos computadores do Citybank em 1995. Ele conseguiu desviar US$ 10 milhões, mas foi preso na Inglaterra pela Interpol quando tentava fugir do país. Passou três anos na cadeia e teve que pagar uma indenização de US$ 240 mil ao banco. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Sven Jaschan – O alemão tinha 18 anos quando criou dois vírus do tipo Worm (Sasser e Netsky) que causaram danos em máquinas que utilizavam Windows 2000 e o Windows XP. As pragas, inclusive, chegaram a infectar computadores de grandes empresas, como a Delta Airlines. A Microsoft ofereceu recompensa de US$ 250 mil para quem entregasse o hacker. Ele foi preso depois que um colega o denunciou para a polícia alemã. A sentença foi de 1 ano e 9 meses de liberdade condicional. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Sven Jaschan – O alemão tinha 18 anos quando criou dois vírus do tipo Worm (Sasser e Netsky) que causaram danos em máquinas que utilizavam Windows 2000 e o Windows XP. As pragas, inclusive, chegaram a infectar computadores de grandes empresas, como a Delta Airlines. A Microsoft ofereceu recompensa de US$ 250 mil para quem entregasse o hacker. Ele foi preso depois que um colega o denunciou para a polícia alemã. A sentença foi de 1 ano e 9 meses de liberdade condicional. - Crédito: Reprodução Internet/33Giga/ND

Jonathan James – Primeiro adolescente a ser preso nos Estados Unidos por cibercrimes. Com 16 anos, invadiu os sistemas da NASA e do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, roubou um software no valor de US$ 1,7 milhões e interceptou mais de 3 mil mensagens sigilosas. Se fosse maior de idade, pegaria 10 anos de prisão, mas cumpriu apenas seis meses. Jonathan se suicidou em 2008 e deixou uma carta afirmando que não acreditava mais no sistema judiciário. - Crédito: Domínio Público/33Giga/ND

Jonathan James – Primeiro adolescente a ser preso nos Estados Unidos por cibercrimes. Com 16 anos, invadiu os sistemas da NASA e do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, roubou um software no valor de US$ 1,7 milhões e interceptou mais de 3 mil mensagens sigilosas. Se fosse maior de idade, pegaria 10 anos de prisão, mas cumpriu apenas seis meses. Jonathan se suicidou em 2008 e deixou uma carta afirmando que não acreditava mais no sistema judiciário. - Crédito: Domínio Público/33Giga/ND

Mais Conteúdo