33 Giga

Blog de tecnologia com serviços e notícias quentes da área. Dicas, tutoriais, testes e muito mais, de forma simples e descomplicada.

Blasfêmia, racismo, sensualidade: 30 videoclipes que causaram polêmica

Blasfêmia, racismo, sensualidade: 30 videoclipes que causaram polêmica - Reprodução YouTube

Blasfêmia, racismo, sensualidade: 30 videoclipes que causaram polêmica - Reprodução YouTube

Os videoclipes são uma forma de transformar música em arte visual. Às vezes, porém, os artistas acabam exagerando na representação e causam polêmicas. Aqui, o 33Giga reuniu 30 vídeos que chocaram audiência, críticos e até outras celebridades. Confira!

Leia mais
Proibidos: confira quais aplicativos foram banidos pela Apple e pelo Android
Rick and Morty, South Park e mais: jogos para quem é fã de desenhos polêmicos
Séries baseadas em casos reais (e polêmicos) para conhecer na Netflix

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Blasfêmia, racismo, sensualidade: 30 videoclipes que causaram polêmica

Madonna – Like A Prayer (1989): A cantora pop causou controvérsia ao beijar um santo negro e dançar em frente a cruzes pegando fogo. Por causa do conteúdo, o Vaticano acusou a norte-americana de brincar com conceitos religiosos, enquanto patrocinadores romperam contratos milionários. A audiência do videoclipe, entretanto, foi um recorde. Assista: http://bit.ly/2UT3uZu. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Madonna – Like A Prayer (1989): A cantora pop causou controvérsia ao beijar um santo negro e dançar em frente a cruzes pegando fogo. Por causa do conteúdo, o Vaticano acusou a norte-americana de brincar com conceitos religiosos, enquanto patrocinadores romperam contratos milionários. A audiência do videoclipe, entretanto, foi um recorde. Assista: http://bit.ly/2UT3uZu. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Madonna – Justify My Love (1990): Em um hotel onde as pessoas vão para praticar diferentes fetiches, Madonna participa de fantasias envolvendo sexo lésbico, sadomasoquismo e muito mais. À época, foi considerado quase pornográfico e banido da MTV. Assista: http://bit.ly/2Z1342J. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Madonna – Justify My Love (1990): Em um hotel onde as pessoas vão para praticar diferentes fetiches, Madonna participa de fantasias envolvendo sexo lésbico, sadomasoquismo e muito mais. À época, foi considerado quase pornográfico e banido da MTV. Assista: http://bit.ly/2Z1342J. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Pearl Jam – Jeremy (1991): Em 8 de janeiro de 1991, um adolescente de 15 anos cometeu suicídio em frente à sua turma da escola. O vocalista da banda, Eddie Vedder, se inspirou na história para escrever a letra de “Jeremy”. Também reproduziu a chocante cena no videoclipe. Assista: http://bit.ly/2P6RSwP. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Pearl Jam – Jeremy (1991): Em 8 de janeiro de 1991, um adolescente de 15 anos cometeu suicídio em frente à sua turma da escola. O vocalista da banda, Eddie Vedder, se inspirou na história para escrever a letra de “Jeremy”. Também reproduziu a chocante cena no videoclipe. Assista: http://bit.ly/2P6RSwP. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Nine Inch Nails – Closer (1994): Alguns criticaram por suas imagens religiosas; outros, por suas perversões sexuais. O videoclipe de “Closer” apresenta desde macacos sendo crucificados até mulheres nuas presas com cordas. Também tem crânios e baratas por todos os lados. De forma geral, mistura religião, sexualidade, loucura e horror. Assista: http://bit.ly/2UwJ4pO. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Nine Inch Nails – Closer (1994): Alguns criticaram por suas imagens religiosas; outros, por suas perversões sexuais. O videoclipe de “Closer” apresenta desde macacos sendo crucificados até mulheres nuas presas com cordas. Também tem crânios e baratas por todos os lados. De forma geral, mistura religião, sexualidade, loucura e horror. Assista: http://bit.ly/2UwJ4pO. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Prodigy – Smack My Bitch Up (1997): Filmado na perspectiva de primeira pessoa, esse videoclipe foi condenado por promover a violência doméstica, além de apresentar uso de drogas e prostituição. Era considerado tão pesado que a MTV só podia passá-lo depois da meia-noite. Assista: http://bit.ly/2URvCMJ. - Crédito: Reprodução/Vimeo/33Giga/ND

Prodigy – Smack My Bitch Up (1997): Filmado na perspectiva de primeira pessoa, esse videoclipe foi condenado por promover a violência doméstica, além de apresentar uso de drogas e prostituição. Era considerado tão pesado que a MTV só podia passá-lo depois da meia-noite. Assista: http://bit.ly/2URvCMJ. - Crédito: Reprodução/Vimeo/33Giga/ND

Eminem – Stan (2000): O videoclipe polêmico conta a história de um fã que tenta entrar em contato com o rapper, mas, após algumas tentativas frustradas, acaba cometendo um crime envolvendo a sua namorada grávida. Assista: http://bit.ly/2Z3SWpI. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Eminem – Stan (2000): O videoclipe polêmico conta a história de um fã que tenta entrar em contato com o rapper, mas, após algumas tentativas frustradas, acaba cometendo um crime envolvendo a sua namorada grávida. Assista: http://bit.ly/2Z3SWpI. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Christina Aguilera – Dirrty (2002): Uma orgia pós-apocalíptica. Assim a cantora definiu o vídeo que matou sua imagem de moça comportada. Ele foi tão impactante que ganhou o título de “Clipe mais chocante lançado por uma mulher”, segundo pesquisa da VH1. Assista: http://bit.ly/2UwgF3d. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Christina Aguilera – Dirrty (2002): Uma orgia pós-apocalíptica. Assim a cantora definiu o vídeo que matou sua imagem de moça comportada. Ele foi tão impactante que ganhou o título de “Clipe mais chocante lançado por uma mulher”, segundo pesquisa da VH1. Assista: http://bit.ly/2UwgF3d. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Marilyn Manson – (s)AINT (2003): Este videoclipe causou polêmica com seu conteúdo altamente explícito. O cantor cheira cocaína em cima da Bíblia Sagrada, corta seu peito, usa narcóticos intravenosos enquanto um rosário faz as vezes de torniquete e participa de uma série de atividades sexuais. Assista: http://bit.ly/2v18Bby. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Marilyn Manson – (s)AINT (2003): Este videoclipe causou polêmica com seu conteúdo altamente explícito. O cantor cheira cocaína em cima da Bíblia Sagrada, corta seu peito, usa narcóticos intravenosos enquanto um rosário faz as vezes de torniquete e participa de uma série de atividades sexuais. Assista: http://bit.ly/2v18Bby. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Eminem – Just Lose It (2004): A letra e o clipe desta canção eram uma paródia sobre Michael Jackson. O rapper toca em assuntos polêmicos como as cirurgias plásticas feitas pelo Rei do Pop e as acusações de pedofilia. O cantor não gostou nem um pouco da sátira e telefonou para programas de rádio reclamando de Eminem. Assista: http://bit.ly/2Z4NPWv. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Eminem – Just Lose It (2004): A letra e o clipe desta canção eram uma paródia sobre Michael Jackson. O rapper toca em assuntos polêmicos como as cirurgias plásticas feitas pelo Rei do Pop e as acusações de pedofilia. O cantor não gostou nem um pouco da sátira e telefonou para programas de rádio reclamando de Eminem. Assista: http://bit.ly/2Z4NPWv. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

The Strokes – Juicebox (2006): Com várias insinuações de sexo, o videoclipe teve diversas cenas cortadas na época de seu lançamento para poder ser exibido na MTV. O diretor Michael Palmieri ficou tão bravo com a censura que retirou seu nome dos créditos. Assista: http://bit.ly/2PcjL6V. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

The Strokes – Juicebox (2006): Com várias insinuações de sexo, o videoclipe teve diversas cenas cortadas na época de seu lançamento para poder ser exibido na MTV. O diretor Michael Palmieri ficou tão bravo com a censura que retirou seu nome dos créditos. Assista: http://bit.ly/2PcjL6V. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

t.A.T.u. – Beliy Plaschik (2008): Depois que a história de serem namoradas foi desmentida, a dupla russa decidiu causar polêmica de outra forma. O videoclipe de “Beliy Plaschik” traz as garotas nuas e o fuzilamento de uma grávida. Foi censurado e teve a versão original disponível apenas em DVD. Assista: http://bit.ly/2D9zsGX. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

t.A.T.u. – Beliy Plaschik (2008): Depois que a história de serem namoradas foi desmentida, a dupla russa decidiu causar polêmica de outra forma. O videoclipe de “Beliy Plaschik” traz as garotas nuas e o fuzilamento de uma grávida. Foi censurado e teve a versão original disponível apenas em DVD. Assista: http://bit.ly/2D9zsGX. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Rammstein – Pussy (2009): A letra explícita da música ganhou um videoclipe tão explícito quanto. Isso porque os integrantes se envolvem em cenas reais de sexo e sadomasoquismo. Ou melhor, as imagens mais quentes foram feitas por dublês, mas a edição montou tudo como se fossem os próprios músicos em ação. Assista: http://bit.ly/2GczUoO. - Crédito: Reprodução/Vimeo/33Giga/ND

Rammstein – Pussy (2009): A letra explícita da música ganhou um videoclipe tão explícito quanto. Isso porque os integrantes se envolvem em cenas reais de sexo e sadomasoquismo. Ou melhor, as imagens mais quentes foram feitas por dublês, mas a edição montou tudo como se fossem os próprios músicos em ação. Assista: http://bit.ly/2GczUoO. - Crédito: Reprodução/Vimeo/33Giga/ND

Mariah Carey – Obsessed (2009): Cansada de ouvir Eminem dizer que teve um caso com ela, Mariah resolveu ironizar o rapper e retratá-lo como um stalker no clipe de “Obsessed”. Vale ressaltar que ela o mata atropelado no final do vídeo. Assista: http://bit.ly/2UPSuw7. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Mariah Carey – Obsessed (2009): Cansada de ouvir Eminem dizer que teve um caso com ela, Mariah resolveu ironizar o rapper e retratá-lo como um stalker no clipe de “Obsessed”. Vale ressaltar que ela o mata atropelado no final do vídeo. Assista: http://bit.ly/2UPSuw7. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Lady Gaga – Alejandro (2010): Aqui, a cantora pop comprou briga com a Igreja Católica. Em quase nove minutos de vídeo, Gaga aparece vestida de freira, engole um terço, exibe uma cruz inversa e é estuprada por um grupo de homens. Foi acusada de blasfêmia pelos religiosos. Assista: http://bit.ly/2P2mfVl. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Lady Gaga – Alejandro (2010): Aqui, a cantora pop comprou briga com a Igreja Católica. Em quase nove minutos de vídeo, Gaga aparece vestida de freira, engole um terço, exibe uma cruz inversa e é estuprada por um grupo de homens. Foi acusada de blasfêmia pelos religiosos. Assista: http://bit.ly/2P2mfVl. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Rihanna – SandM (2010): Como o próprio nome da música entrega, o clipe traz referências ao sadomasoquismo. A cantora abusa de jornalistas, aparece amarrada e até faz o fofoqueiro norte-americano Perez Hilton virar seu capacho sexual. O vídeo foi censurado em 11 países. Assista: http://bit.ly/2v04VGY. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Rihanna – SandM (2010): Como o próprio nome da música entrega, o clipe traz referências ao sadomasoquismo. A cantora abusa de jornalistas, aparece amarrada e até faz o fofoqueiro norte-americano Perez Hilton virar seu capacho sexual. O vídeo foi censurado em 11 países. Assista: http://bit.ly/2v04VGY. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

M.I.A. – Born Free (2010): A rapper do Sri-Lanka tinha a ideia de criticar o preconceito racial, com soldados caçando e aniquilando ruivos, mas acabou com um clipe censurado. Isso porque cenas de execução e uso de armas de forma explícita foram consideradas pesadas para o público do YouTube e da TV. Assista: http://bit.ly/2UsOr9v. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

M.I.A. – Born Free (2010): A rapper do Sri-Lanka tinha a ideia de criticar o preconceito racial, com soldados caçando e aniquilando ruivos, mas acabou com um clipe censurado. Isso porque cenas de execução e uso de armas de forma explícita foram consideradas pesadas para o público do YouTube e da TV. Assista: http://bit.ly/2UsOr9v. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Lady Gaga – Judas (2011): Jesus moreno e com tranças, os 12 apóstolos sendo retratados como uma gangue de motociclistas e Gaga como Maria Madalena. Essa interpretação da história causou polêmica com a Igreja Católica, que considerou o vídeo uma manobra de marketing de alguém sem talento. Assista: http://bit.ly/2uYH9eM. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Lady Gaga – Judas (2011): Jesus moreno e com tranças, os 12 apóstolos sendo retratados como uma gangue de motociclistas e Gaga como Maria Madalena. Essa interpretação da história causou polêmica com a Igreja Católica, que considerou o vídeo uma manobra de marketing de alguém sem talento. Assista: http://bit.ly/2uYH9eM. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Alexandre Pires – Kong (2012): Com participação de Neymar Jr., Mr. Catra e David Brazil, o vídeo traz homens fantasiados de macacos ao lado de garotas de biquíni. A brincadeira, entretanto, não agradou os representantes do movimento negro. Para eles, “Kong” faz comparação entre negros e macacos. Assista: http://bit.ly/2GeEFz2. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Alexandre Pires – Kong (2012): Com participação de Neymar Jr., Mr. Catra e David Brazil, o vídeo traz homens fantasiados de macacos ao lado de garotas de biquíni. A brincadeira, entretanto, não agradou os representantes do movimento negro. Para eles, “Kong” faz comparação entre negros e macacos. Assista: http://bit.ly/2GeEFz2. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Miley Cyrus – Wrecking Ball (2013): Minimalista e polêmico. Assim pode ser definido o videoclipe da cantora que acabou de vez com a imagem de Hannah Montana. As cenas em que ela está nua em cima de uma bola de demolição e lambendo uma marreta são as mais icônicas – e controversas, claro. Assista: http://bit.ly/2Fgx8A0. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Miley Cyrus – Wrecking Ball (2013): Minimalista e polêmico. Assim pode ser definido o videoclipe da cantora que acabou de vez com a imagem de Hannah Montana. As cenas em que ela está nua em cima de uma bola de demolição e lambendo uma marreta são as mais icônicas – e controversas, claro. Assista: http://bit.ly/2Fgx8A0. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Robin Thicke – Blurred Lines (2013): Este clipe rendeu ao cantor o título de “Artista mais Sexista” do ano, segundo pesquisa conduzida pelo site End Violence Against Women Coalition. O vídeo foi acusado de denegrir a imagem das mulheres, já que traz modelos de calcinha, com os seios de fora e que só ficam rebolando de um lado para o outro. Foi banido do YouTube durante um tempo. Assista: http://bit.ly/2DbaFCp. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Robin Thicke – Blurred Lines (2013): Este clipe rendeu ao cantor o título de “Artista mais Sexista” do ano, segundo pesquisa conduzida pelo site End Violence Against Women Coalition. O vídeo foi acusado de denegrir a imagem das mulheres, já que traz modelos de calcinha, com os seios de fora e que só ficam rebolando de um lado para o outro. Foi banido do YouTube durante um tempo. Assista: http://bit.ly/2DbaFCp. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

David Bowie – The Next Day (2013): Este videoclipe é cheio de referências religiosas. Marion Cotillard interpreta uma prostituta que sofre com as chagas de Jesus Cristo, enquanto Gary Oldman é um abusivo padre. Bowie ficou com o papel de Moisés, que também é cantor de bordel. O conteúdo foi considerado inapropriado e chegou a ser retirado do YouTube durante algumas horas. Assista: http://bit.ly/2KrsaV1. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

David Bowie – The Next Day (2013): Este videoclipe é cheio de referências religiosas. Marion Cotillard interpreta uma prostituta que sofre com as chagas de Jesus Cristo, enquanto Gary Oldman é um abusivo padre. Bowie ficou com o papel de Moisés, que também é cantor de bordel. O conteúdo foi considerado inapropriado e chegou a ser retirado do YouTube durante algumas horas. Assista: http://bit.ly/2KrsaV1. - Crédito: Reprodução/YouTube/33Giga/ND

Mais conteúdo