Alexandre Garcia

Jornalista com décadas de atuação na TV e rádio, como apresentador, repórter, comentarista e diretor de jornalismo. A coluna aborda temas do cotidiano, entre eles comportamento, política e economia.

Alexandre Garcia : Entre o Samba e o Tango

A Argentina que elegeu novo presidente pode ser um país distante para a maioria dos brasileiros, mas não para gaúchos, como eu. Na minha geração, o “TicoTico” não chegava à minha cidade, mas o “Billiken” vinha de trem. Ainda criança, eu me deliciava com as aventuras de Ocalito y Tumbita, e da Família Conejín. Ficava mais fácil ouvir a Rádio El Mundo, porque a Rádio Nacional chegava mal. Passei a infância lendo e ouvindo em espanhol as notícias sobre Perón. O “Tico-Tico” já desapareceu, mas o Billiken e a Argentina continuam vivos e atuantes. Cobri, pelo Jornal do Brasil, a morte de Perón e os anos de governo de sua viúva e vice-presidente, Isabelita – e chegaram a me confundir com o noivo “de la Señora”. Meus novos quadrinhos eram de Mafalda, do genial Quino, e do “Inodoro Pereyra, el renegau”. Todo gaúcho é também um gaucho, o pampa nos une. Toda essa introdução foi necessária para mostrar que mesmo convivendo bem com a Argentina, é difícil entender os argentinos, porque tampouco eles se entendem. A maior revolução argentina foi no meio do século 19, sob o governo de Sarmiento. Foi um salto no ensino e uma transformação. Não é por nada que eles ganharam cinco prêmios Nobel. Temos nenhum. Essa é a causa do milagre que é a grandeza do país, a despeito pequenez de muitos de seus políticos. O caudilho general Perón separou os argentinos em peronistas e não-peronistas. Outro general, Galtieri, ainda conseguiu uni-los na invasão das ilhas Malvinas, mas foi um fiasco. Aqui no Brasil, os jornais dizem que a esquerda voltou ao poder. O peronismo não é esquerda nem direita; é populismo. Peron e Vargas são ideologicamente parecidos. Nacionalistas e populistas, com ações que podem ser rotuladas ora de direita, ora de esquerda, mas são apenas marcas de fantasia. O que aconteceu é que Cristina Kirchner, a vice, agora ganhou a imunidade do Senado tal como aqui o Supremo busca imunidade para quem tem dinheiro para continuar apelando depois de confirmada a condenação. Brasil e Argentina foram rivais por quatro séculos. Depois de Sarney e Alfonsín abrirem as respectivas centrais nucleares, foi embora a desconfiança. Bolsonaro palpitou na campanha argentina apoiando Macri e criticando Fernández. O argentino se meteu em assuntos internos do Brasil apoiando o Lula Livre ao visitar Lula. Agora o brasileiro se recusa a cumprimentar o vitorioso porque o argentino afirmou que a prisão de Lula é injusta, intrometendo-se no Judiciário brasileiro. Durante a guerra, que cobri, perguntei ao presidente Figueiredo porque estava ajudando com peças à Força Aérea Argentina contra a Inglaterra. Ele me respondeu que a Argentina jamais deixaria de ser nossa vizinha e que a ilha inglesa está a 10 mil quilômetros. É um determinismo geográfico; estamos destinados a nos relacionar com o vizinho. Também é um determinismo econômico; estamos próximos demais para não negociarmos uns com os outros. A gente precisa entender o tango e suas tragédias, para entender os argentinos. E eles entender o espírito lúdico do samba, para nos aceitarem. É mais prático acertar.

Mais Conteúdo