Altair Magagnin

Informações e análises sobre a política catarinense, com prioridade para conteúdos exclusivos e inéditos. Notícias e opiniões contextualizadas com os bastidores do poder.

Felipe Estevão reclama de fogo amigo e cita Jessé Lopes e Bruno Souza

Um forte desabafo do deputado Felipe Estevão (PSL) quebrou a monotonia da sessão de quinta-feira (23) na Assembleia Legislativa. Como de praxe, as sessões deste dia são pouco movimentadas, ainda mais com a ressaca do dia seguinte às longas votações sobre a reforma administrativa. Foi justamente na esteira das repercussões que Estevão disparou contra a postura de colegas parlamentares, citando nominalmente Bruno Souza (ex-PSB) e Jessé Lopes, companheiro de bancada no PSL.

Felipe Estevão, na tribuna, e Mauro de Nadal, na mesa – Luca Gebara/Agência AL/ND

Estevão disse que ficou “triste e chateado” após ser chamado de “vagabundo” nas redes sociais.

Classificou como “populistas” algumas medidas adotadas por colegas, como cortar o cafezinho ou abrir mão do carro oficial. “Um camarada que me visita lá do Oeste, será que ele não merece um café?”, questionou. Sobre o uso do carro, disse que “é filho de pescador” e não teria condições de viajar pelo Estado não fosse o veículo oficial. Estevão pediu que seja julgado “ao fim dos quatro anos, pelos resultados”.

Motivo do desabafo

O motivo pontal da crítica de Felipe Estevão foi uma postagem do deputado Bruno Souza com o placar das votações das emendas à reforma administrativa. Souza defendia o fim do ponto facultativo e o estabelecimento de critérios mais claros para o pagamento do “auxílio-combustível”. Ambas foram derrotadas em plenário. Foi no campo de comentários que Estevão recebeu críticas.

Jessé Lopes e Bruno Souza – Luca Gebara/Agência AL/ND

Carro e café

O entendimento de Felipe Estevão de que é ruim um deputado atirar contra o outro foi corroborado pelos colegas Volnei Weber e Mauro de Nadal, ambos do MDB. Sobre a questão do café, Weber disse, caso concorra à reeleição e não “chegar” por causa do cafezinho, “tem que ir para casa mesmo”. Nadal lembrou que, sem o apoio logístico, os deputados do interior não teriam espaço na Casa. “Nós, do Oestão, teríamos que vir à pé”, disse.

A internet, os sábios e os imbecis

Mauro de Nadal disse duas frases muito fortes:

“Internet dá oportunidade para sábios, mas também um campo largo para o imbecil. Imbecil não adianta responder, porque ele não entende”.

E depois, para fechar, disse: “ser avaliado por colega deputado estadual é deprimente. Quem tem que avaliar é o eleitor”.

Mais conteúdo