Altair Magagnin

Informações e análises sobre a política catarinense, com prioridade para conteúdos exclusivos e inéditos. Notícias e opiniões contextualizadas com os bastidores do poder.

“Não muda o que disse, mas desacredita totalmente”, diz Paulo Bauer sobre delação

Atualizado

A notícia de que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, decidiu rescindir o acordo de delação premiada do ex-diretor de Relações Institucionais da empresa Hypermarcas, Nelson Mello, foi comentada no início da noite pelo ex-senador Paulo Bauer (PSDB). A manifestação subscrita por Raquel foi enviada ao STF (Supremo Tribunal Federal) na segunda-feira (3). Cabe agora ao relator, ministro Edson Fachin, analisar e decidir se homologa ou não a rescisão do acordo.

Paulo Bauer – Roque de Sá/Agência Senado

Como o senhor recebe a notícia?

A Procuradoria-Geral da República identificou uma série de atitudes que o tal do delator praticou, não sei em relação a quem e a que, mas o fato que é o primeiro caso de delação rescindido. Isso não muda o que ele disse a meu respeito, mas desacredita totalmente. Um delator que vai à Justiça e depois a Justiça considera um mentiroso, não é uma coisa boa. Vou continuar respondendo, mas cabe ao Judiciário comprovar a veracidade dos fatos.

Qual a dimensão do prejuízo político que o senhor sofreu?

A delação em si não me prejudicou politicamente. Não houve falta de solidariedade do partido, a [desistência da] candidatura [ao governo do Estado] não tem relação de causa e efeito, foi situação política de composição. Um episódio como esse, em um ano eleitoral, sempre traz problemas, tira o foco e traz problemas de credibilidade. Mas, é passado, assunto vencido.

O senhor é assessor especial da Casa Civil para o Senado. Ao que parece, a articulação política do presidente Jair Bolsonaro está melhorando.

É só você ver a votação que o Senado fez na segunda-feira, uma coisa rara. A articulação começa a mostrar o seu lado positivo, favorável. Já passou pelo pior. É natural um começo difícil. Não existe governo dando show na largada.

As discussões sobre a reforma da Previdência ainda estão muito centradas na Câmara. Como está o trabalho no Senado?

As conversas estão mais nos bastidores, reservadas. Estamos promovendo algumas ações visando ter um número suficiente de adesões.

Mais conteúdo sobre

Mais conteúdo