Altair Magagnin

Informações e análises sobre a política catarinense, com prioridade para conteúdos exclusivos e inéditos. Notícias e opiniões contextualizadas com os bastidores do poder.

Passado mostra que “querer fazer tudo ao mesmo tempo” é “melhor maneira de não fazer nada”

Há uma frase corrente nos bastidores da política que diz: “a melhor maneira de não se fazer nada é querer fazer tudo ao mesmo tempo”. No governo Raimundo Colombo (PSD), por exemplo, as reformas sempre foram fatiadas, e avançaram. A estratégia era evitar os pacotões que pudessem ser derrubados. Na entrevista, Carlos Moisés afirmou que pretende “preparar todo o pacote legislativo para entrega de uma forma pronta”. Fosse na política antiga, correria um sério risco de esbarrar. Quando digo política antiga, faço um paralelo aos tempos de agora, que são outros. O futuro governador teve mais de 70% de votação popular, de um eleitor que clamou pela mudança. Moisés deve se valer da popularidade para fazer prosperar seu modelo de Estado.

Os motivos que fazem Carlos Moisés adiar para 2019 envio da reforma administrativa à Alesc

Sentados: Ricardo Alba, Daniela Reinehr, Lucas Esmeraldino e Carlos Moisés - Divulgação/ND
Carlos Moisés – Divulgação/ND

Mais conteúdo