Altair Magagnin

Informações e análises sobre a política catarinense, com prioridade para conteúdos exclusivos e inéditos. Notícias e opiniões contextualizadas com os bastidores do poder.

Repasse dos poderes ao Executivo é um gesto histórico e uma lição que Moisés deve aprender

Atualizado

Em um gesto inédito na história recente da política catarinense, os chefes do Tribunal de Justiça, da Assembleia Legislativa, do Ministério Público e do Tribunal de Contas abriram mão de R$ 118 milhões dos recursos provenientes do duodécimo a que têm direito. Trata-se de uma contribuição significativa ao cidadão, que poderá esperar mais ações por parte do poder Executivo com esse fôlego no caixa do Tesouro Estadual.

O anúncio foi feito por meio de ofício encaminhado ontem ao governador Carlos Moisés (PSL). Desses R$ 118 milhões, R$ 81,1 milhões serão devolvidos em dinheiro. Os outros R$ 36,8 milhões terão dispensados seus repasses previstos. Os poderes e órgãos mostram ciência de que é preciso enxugar e otimizar os custos. A sociedade agradece.

A decisão conjunta do desembargador Rodrigo Collaço, presidente do TJ-SC; do deputado estadual Julio Garcia (PSD), presidente da Alesc; do procurador-geral de Justiça, Fernando da Silva Comin, chefe do MP-SC; e do conselheiro Adircélio de Moraes Ferreira Júnior, presidente do TCE-SC; ensina ao governador Moisés a importância do diálogo e da valorização do trabalho de cada um dos organismos públicos em prol do catarinense.

O Estado não é só Executivo, ou Legislativo, ou Judiciário, ou seus órgãos com autonomia financeira. São todos juntos, conversando e encontrando soluções com base no consenso e no alto nível, sem ataques pessoais e institucionais, sem desmerecimento, sem enfraquecimento.

Mais conteúdo sobre

Mais conteúdo