Solto na terça-feira, Luciano Veloso Lima fala em perplexidade com a Operação Chabu

Assim como o prefeito Gean Loureiro (ex-MDB), o ex-secretário de Estado da Casa Civil, Luciano Veloso Lima (MDB), também está entre os cinco que foram soltos ainda na noite de terça-feira (18), mesmo dia em que foi deflagrada a Operação Chabu.

Luciano Lima na despedida do cargo de secretário da Casa Civil – Divulgação/ND

De acordo com o advogado Rubens Cabral Faria Junior, não houve comprovação do envolvimento de Lima com os supostos crimes investigados.

A prisão de Lima teria sido motivada por uma troca de mensagens com o empresário José Augusto Alves. O ex-secretário de Estado da Casa Civil teria sido avisado sobre uma operação em Videira, no Meio-Oeste catarinense, cidade-natal de Lima. O advogado confirma, mas reforça que não houve comprovação de nenhuma irregularidade.

José Augusto Alves, que continua preso, é diretor-executivo de uma empresa de assessoria empresarial voltada para o ramo de tecnologia. É apontado como o pivô do esquema de vazamentos, junto com o delegado da Polícia Federal, Fernando Caieron, que também está preso.

Lima concederá entrevista coletiva nesta sexta-feira, às 10h. “A situação causa perplexidade. O Luciano está com a imagem abalada, e pretende apresentar todos os esclarecimentos”, afirmou o advogado.

Mais conteúdo sobre

Mais Conteúdo