Ana Lúcia Coutinho começa a definir prioridades da FCC

A presidente Ana Lúcia (ao fundo), reuniu-se nesta segunda com grupo de servidores da FCC - Divulgação/Fernanda Peres
A presidente Ana Lúcia (ao fundo), reuniu-se nesta segunda com grupo de servidores da FCC – Divulgação/Fernanda Peres

A presidente da FCC (Fundação Catarinense de Cultura), historiadora Ana Lúcia Coutinho, reuniu-se nesta segunda-feira com um grupo de servidores da instituição, dando início a um ciclo de planejamento e gestão para um ano muito especial. Em 2019 a FCC completa 40 anos de fundação e há uma intensa e criativa programação a ser cumprida ao longo do ano.

Ana Lúcia tem se dedicado a conhecer as ações propostas pelo corpo técnico e os projetos para as casas administradas pelo órgão. Também analisa a situação financeira e as principais urgências da FCC.

A presidente da FCC, uma das escolhas mais felizes para a equipe do governador Carlos Moisés, é graduada e especialista em História pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), doutora em Antropologia de Ibero-América pela Universidade de Salamanca (Espanha) e Estudos Avançados em Antropologia de Ibero-América pela mesma universidade. É ainda especialista em Patrimônio Cultural pela DUO/Unesco e tem também em seu currículo o Curso de Formação de Dirigentes Públicos da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina). Além disso, é especialista em Administração e Organização Documental pela USP (Universidade de São Paulo). Ana Lúcia acumula outras experiências profissionais ligadas ao setor: foi diretora do Museu Nacional do Mar (São Francisco do Sul) entre os anos de 2008 e 2012 e voluntária na comissão de patrimônio imaterial catarinense da FCC.

O fortalecimento da FCC, a circulação de ações culturais no interior do Estado e a valorização do patrimônio – muito presente no Museu Nacional do Mar e no Museu Etnográfico, em Biguaçu – estão entre as principais intenções da nova presidente, reconhecida por sua atuação na preservação das tradições de origem açoriana (é fundadora do Grupo Arcos, de Biguaçu).

Mais Conteúdo