IDES completa quase dois séculos e meio de história

Atividades no pátio em 1956, registro do lendário fotógrafo e documentarista Waldemar Anacleto - Acevo iDES/ND
Atividades no pátio em 1956, registro do lendário fotógrafo e documentarista Waldemar Anacleto – Acevo iDES/ND

Uma exposição a partir deste sábado (9) resgata “Mais de Dois Séculos de História” da IDES (Irmandade do Divino Espírito Santo), uma das instituições sociais, culturais e religiosas mais antigas de Santa Catarina, fundada em 10 de junho de 1773. A mostra, que reúne centenas de documentos e imagens, inclui a admissão de novos irmãos e irmãs e homenagens, com a entrega de diplomas e da Divina Medalha, comenda máxima da IDES, a três personalidades que prestaram relevantes serviços à entidade: Lélia Pereira Silva Nunes, Lineo Machado e Nereu do Vale Pereira.

A IDES é conhecida por promover uma das mais concorridas Festas do Divino de Santa Catarina, na Praça Getúlio Vargas, onde fica sua sede. A festa foi recentemente reconhecida como Patrimônio Cultural do Estado e do município de Florianópolis.

Alunos da instituição em sala de aula, ano de 1971 - Acervo IDES/ND
Alunos da instituição em sala de aula, ano de 1971 – Acervo IDES/ND

A exposição teve o apoio da UDESC/FAED, por meio do “Edital Elisabete Anderle”, da Fundação Catarinense de Cultura. O Instituto de Documentação e Investigação em Ciências Humanas – IDCH, catalogou mais de 9.400 imagens e documentos históricos, incluindo imagens a partir de 1900 e documentos assinados pelo imperador D. Pedro I, como seu segundo Compromisso (Estatuto). Neste documento, há referência à invasão Espanhola à Ilha de Santa Catarina em 1777. Alguns dos itens catalogados estarão na mostra, para que o público tenha dimensão da importância histórica, cultural e social da entidade.

Ademar Arcângelo Cirimbelli, atual provedor da IDES, observa que “a exposição sintetiza um pouco do trabalho realizado pela Irmandade durante mais de dois séculos e como, ao longo do tempo, ela se adaptou e se reinventou, assumindo uma posição importante no contexto social e cultural de Florianópolis”. Cirimbelli destaca ainda “o culto ao Divino Espírito Santo, que estamos vivenciando, e representa a manifestação mais significativa da cultura popular catarinense, legado de religiosidade e fé do povoamento açoriano, cuja chegada a Santa Catarina, há 270 anos, foi comemorada recentemente”.

  Projetos sociais desde 1910 

Centro de Educação Infantil Girassol, um dos projetos mais destacados da IDES - Aceevo IDES/ND
Centro de Educação Infantil Girassol, um dos projetos mais destacados da IDES – Aceevo IDES/ND

Os projetos sociais da IDES atendem diariamente mais de 750 crianças e adolescentes de Florianópolis.

A configuração atual desse trabalho é uma reinvenção que começou há 41 anos, quando a entidade incorporou a Associação Promocional do Menor Trabalhador (Promenor) e quando inaugurou o Centro de Educação Infantil Girassol, atualmente com 400 crianças atendidas, durante 11 horas de funcionamento diário. Toda essa estrutura começou a ser formada em 1910, com o Asylo de Órphãs São Vicente de Paulo, hoje Lar São Vicente de Paulo.

A faixa etária dos beneficiados por seus serviços vai de 0 a 24 anos, incluindo os familiares como beneficiários indiretos, além da implantação de projetos pontuais que envolvem toda a comunidade.

O provedor Ademar Arcângelo Cirimbelli destaca entre conquistas recentes o reconhecimento da IDEs como uma das 100 melhores ONGs do Brasil, a aprovação de projeto no Criança Esperança e Itaú/UNICEF, a escolha de seu prédio histórico como sede da Edição da CASACOR Santa Catarina 2017 e a declaração da Festa do Divino como Patrimônio Cultural de Santa Catarina e de Florianópolis, sendo o segundo evento a conquistar tal feito (o outro é a Procissão do Senhor dos Passos). 

O casarão da praça

Além da sua importância como instituição social e cultural, a IDES preserva uma das edificações históricas mais importantes de Florianópolis, inteiramente restaurada em 2017 para realização da CASACOR. O prédio, com 108 anos, foi construído numa das antigas chácaras do bairro Mato Grosso. O terreno foi doado à Igreja Matriz (hoje Catedral Metropolitana) em 1898 por uma rica moradora de Florianópolis, Maria Francisca de Paula Braga, com a determinação específica para que nele fosse construído um asilo de órfãos.

Foi justamente a IDES que recebeu a responsabilidade pela administração do imóvel. O Asilo de Órfãs de Santa Catarina, como foi inicialmente chamado, incorporou atividades que já eram realizadas pelas irmãs da Divina Providência, no Asilo São Vicente de Paulo e acabou adotando esse nome. Ao longo do tempo a congregação se afastou dos trabalhos: nas últimas quatro décadas a IDES cuida de seus serviços com pessoal próprio e voluntários.

Ao lado do antigo asilo está a Capela do Divino Espírito Santo, também vinculada à IDES, uma das igrejas mais charmosas e acolhedoras de Florianópolis.

Mais Conteúdo