Fabio Gadotti

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens de Florianópolis e região.

Fecam pede “diálogo” para volta à normalidade e fim dos prejuízos econômicos

A Fecam (Federação Catarinense de Municípios) pediu, em nota oficial divulgada nesta terça-feira (29) “responsabilidade, equilíbrio e diálogo” para que a sociedade volte à  normalidade, com a retomada da economia. “As manifestações e reivindicações em andamento são legítimas e merecem o respeito da sociedade brasileira. O movimento já é vitorioso, pois mobilizou forças sociais e alcançou resultados concretos por meio de negociações públicas e já asseguradas. A prudência e o bom-senso exigem agora o encerramento das mobilizações e a retomada da normalidade econômica e da vida social”, afirma.

A entidade destacou os prejuízos econômicos do movimento – em dois dias úteis uma queda de 33,2% na arrecadação do ICMS  – e disse que “garantir o equilíbrio dos orçamentos municipais é indispensável para administrar as já combalidas com as contas públicas”. E, por fim, pontuou que esse cenário “exige a forte e continuada união entre os entes públicos, forças produtivas, grupos de representação social e cidadãos, no sentido de manter a vigilância sobre a condução econômica do país”.

 E concluiu: “Ajustes econômicos são necessários, assim como é indispensável assegurar a normalidade, o respeito ao Estado de Direito e a busca de soluções por meio de vias democráticas. A Fecam se opõe a qualquer flerte com soluções antidemocráticas e conclama a sociedade catarinense ao diálogo permanente e à vigília constante em favor da estabilidade econômica e da paz social”.

Manifestação de caminhoneiros em Palhoça, na BR-101, na manhã deste domino - Gustavo Bruning/ND
Mobilização de caminhoneiros entrou no nono dia, com reflexos no abastecimento de combustíveis e outros produtos – Gustavo Bruning/ND

Mais Conteúdo