Fabio Gadotti

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens de Florianópolis e região.

“Não é hora de lazer, mas de consciência e proteção”, diz Gean Loureiro

Atualizado

Objetivo é diminuir o número de pessoas nas ruas da Capital – Foto: Arquivo/Flavio Tin/ND

Com números de contaminados pela Covid-19 em alta e índice de isolamento social em baixa, o prefeito Gean Loureiro (DEM) anunciou  o endurecimento das medidas restritivas para evitar uma segunda onda de contágios em Florianópolis.

A cidade, que registrou 14 mortes pelo coronavírus desde o início da pandemia, volta a ter academias e shoppings centers fechados, além de limitação de funcionamento de bares e restaurantes. O comércio de rua e o transporte coletivo seguem liberados na cidade.

“O que está acontecendo é o reflexo do que aconteceu há 14 dias. O número de doentes, que vinha caindo, passou de 100 para mais de 300. E nós trabalhamos com projeções que preocupam muito”, disse Gean, que vai avaliar o quadro epidemiológico daqui a duas semanas para nova decisão sobre manutenção do novo decreto ou eventuais flexibilizações nas atividades.

A avaliação é de que os novos casos demonstram que uma parcela considerável da população passou a desconsiderar o risco do coronavírus, o que acaba colocando toda a cidade em alerta.

“Precisamos diminuir o número de pessoas saindo de casa, não tem outro jeito, não é hora de lazer, mas de proteção, de consciência”, afirmou o prefeito, que considerou de “abuso” e “irresponsabilidade” o movimento nas ruas durante o fim de semana quente e ensolarado, com aglomerações em diversos pontos.

A Capital também está de olho no aumento expressivo dos números de Covid-19 nos municípios da região e pode voltar a restringir o transporte intermunicipal se os protocolos sanitários não forem seguidos.

“Não é motivo para pânico, mas se não tomarmos medidas fortes agora, a situação pode fugir do controle. Como prefeito, responsável pela cidade até dezembro, não vou pagar pra ver”, disse Gean em vídeo divulgado nas redes sociais no início da noite desta segunda-feira (22).

As medidas foram criticadas pela CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) e pela Abrasel/SC (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), que projetam aprofundamento da crise, com mais demissões.

Mais Conteúdo