Fabio Gadotti

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens de Florianópolis e região.

Operação Alcatraz: Justiça coloca empresário em prisão domiciliar por risco de coronavírus

A juíza federal substituta Janaína Cassol Machado, da 1ª Vara Federal de Florianópolis, expediu neste sábado (21) alvará de soltura para que o empresário Mauricio Rosa Barbosa, investigado na Operação Alcatraz, passe a cumprir prisão domiciliar.

No pedido de libertação do cliente, o advogado Claudio Gastão da Rosa Filho justificou que o réu tem uma doença crônica que pode aumentar o risco de morte no caso de contaminação pelo coronavírus.

, Mauricio vinha cumprindo prisão preventiva desde maio de 2019. “A decisão tem caráter humanitário e é fundamentada na pandemia que assola o mundo e a condição clínica do requerente”, destacou o advogado.

A magistrada determina que Mauricio passe a usar tornozeleira eletrônica, “às expensas do investigado”. Outra medida cautelar imposta é a entrega do passaporte e da carteira de habilitação, em data ainda a ser definida.

Mauricio só poderá se ausentar do perímetro da residência especificamente por motivo de saúde, devendo comunicar previamente ao juízo para providências junto ao Deap (Departamento de Administração Penitenciária).

O réu também fica proibido de manter contato via telefone ou pessoalmente ou qualquer outro meio com os demais investigados. A prisão domiciliar vigorará inicialmente por 90 dias.

Segundo Gastão, a autorização vem ao encontro das preocupações das autoridades sanitárias quanto ao perigo de disseminação do Covid19 no ambiente carcerário.

Mais Conteúdo