Fabio Gadotti

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens de Florianópolis e região.

Projeto mantém “rastros históricos” do Largo da Alfândega, em Florianópolis

Atualizado

Cobertura que remete à renda de bilro é o grande destaque do projeto – Foto: Cristiano Andujar/Divulgação/ND

O projeto do Largo da Alfândega, que será inaugurado no próximo dia 8 de fevereiro, buscou manter os “rastros históricos” do espaço. O muro do antigo cais do porto e os espelhos d´água mostram, por exemplo, até onde chegava o mar e o deck simboliza o trapiche que era usado por comerciantes que carregavam e descarregavam mercadorias.

O destaque deve ser, no entanto, a “grande toalha metálica” que remete à renda de bilro em homenagem às rendeiras e rendeiros de Florianópolis. A cobertura tem 450 metros quadrados e é formada por 224 placas. Segundo um dos idealizadores do projeto do Largo, o arquiteto e urbanista César Floriano, foi uma “criação coletiva”.

Inauguração será no próximo sábado – Foto: Cristiano Andujar/Divulgação/ND

O projeto começou a ser delineado pelo antigo Ateliê da Cidade, coordenado por César durante sua passagem como secretário-adjunto de Meio Ambiente, Planejamento e Desenvolvimento Urbano da gestão César Souza Júnior (PSD).  O grupo era formado também por Evandro Andrade e Elon Alano.

As obras, ainda não 100% finalizadas, custaram R$ 9,5 milhões, 90% do Iphan e o restante do município Depois da inauguração, o espaço será fechado parcialmente durante os dias de Carnaval para preservação do patrimônio público, a exemplo do que já foi feito nos últimos dois anos na Praça 15.

Espelhos d´água mostram até onde ia o mar antes do aterro da Baía Sul

Mais Conteúdo