Fábio Machado

Rotina, contratações e análise dos jogos dos clubes catarinenses. A história do futebol no Estado é resgatada com postagens que relembram os títulos e jogadores que marcaram Santa Catarina.

FIGUEIRENSE 0 X 0 VILA NOVA: Nota dos jogadores e avaliação do treinador Pintado

PEGORARI – Na verdade apenas colocou o uniforme e praticamente assistiu à partida de um lugar privilegiado. NOTA 7

LUIS RICARDO –  A sua pior partida com a camisa do Figueirense. Inseguro na maioria das jogadas, errou lances infantis. Decepcionou.  NOTA 3

ALEMÃO – Na primeira etapa abusou dos lançamentos longos. Na defesa “haja coração”. NOTA 6

RUAN RENATO – Quando pressionado, dá sustos na torcida. Mas tem um mérito: joga sério e se entrega na partida.  NOTA 5

CONRADO – Tímido no apoio, poderia ser presente nas jogadas de ataque. Só que quando sobre, demora a recompor o setor. NOTA 6

PATRICK – Abusou das entradas violentas durante a partida. Não fez o time evoluir. NOTA 6

TONY – Sempre na sua característica, muitos toques inúteis para o lado e pouca efetividade. Corretamente substituído. NOTA 4

(VICTOR GUILHERME) – Entrou e não apresentou nada de produtivo. Pareceu em muitas jogadas, sem ritmo. NOTA 4

FELLIPE MATEUS – Algumas boas jogadas e depois um sumiço no gramado. Oscilação que não beneficiou o Figueirense. NOTA 6

JEFERSON RENAN –  Só no final da partida saiu da apatia para tentar criar alguma coisa. NOTA  6

BRENO – Apagado na partida, tentou chutes de fora da área, mas sem nenhum sucesso. NOTA  5

(ROBERTINHO) – Com muita dificuldade tentou imprimir velocidade. Mas foi pouco. NOTA 5

ODILÁVIO – Jogou bem até na hora do hino nacional. Depois sumiu da partida. NOTA 3

GUSTAVO POFFO – Outra modificação que não deu resultado. Erro de posicionamento e personalidade para buscar o lance. NOTA  4

PINTADO –  Demorou para tirar o Tony e demorou para perceber que o esquema de três zagueiros do Vila Nova exigia do seu time mais velocidade e mais jogadas pelos flancos. Viu outro jogo, só pode.  NOTA 4

VILA NOVA –  O ponto conquistado no estádio Orlando Scarpelli foi resultado de uma aplicação tática implantada pelo treinador Itamar Schulle. Uma linha de três zagueiros que fechou as portas para o Figueirense.    NOTA  6

Comentário Fábio Machado – Foto: arte/ndonline

Mais Conteúdo