Fábio Machado

Rotina, contratações e análise dos jogos dos clubes catarinenses. A história do futebol no Estado é resgatada com postagens que relembram os títulos e jogadores que marcaram Santa Catarina.

Mais uma “bomba” no Figueirense. Bloqueio de R$ 9,6 milhões pode envolver o estádio

A Procuradoria Regional do Trabalho entrou em campo pesado cobrando juridicamente soluções sobre os salários ( e demais encargos) atrasados no Figueirense. O processo cita nominalmente pessoas jurídicas como a

  • Associação do Figueirense,
  • Figueirense LTDA
  • Elephant S/A a holding que gerencia o futebol do clube através de contrato de parceria.
  • Figueirense FC

A AÇÃO CIVIL PÚBLICA “com pedido de tutela de urgência e com cautelar de arresto de bens” é mais uma bomba na crise do estádio Orlando Scarpelli.

ATENÇÃO

Sucessivamente, caso as medidas aqui postuladas – arresto de valores e  bens dos responsáveis e intervenção na administração – não forem suficientes para cobrir o passivo trabalhista do clube, o Ministério Público do Trabalho, desde já, requer, a constrição judicial do Estádio Orlando Scarpelli, localizado na Rua Humaitá, nº 194, Estreito, Florianópolis/SC, de propriedade do 1º réu.

Citados também na ação as pessoas físicas.

  1. Luiz Fernando Philippi, presidente do Conselho Adminstrativo
  2. Nikolas Bottós, primeiro vice-presidente e membro de administração
  3. Jean Durieux, segundo presidente e membro do conselho administrativo
  4.  Leonir Santini, terceiro vice-presidente e membro do conselho administrativo
  5. Décio Moritz, secretário geral e membro do conselho admintrativo
  6. Cláudio Honigmann, atual diretor presidente
  7. Wilfredo Brilliger, sócio do sétimo réu
  8. Airton Manoel João, sócio do sétimo réu
  9. Cláudio Vernalha, acionista admintrador do décimo primeiro e sócio do sétimo réu.

Todos os citados caso queiram se manifestar, a coluna está à disposição!

Mais conteúdo sobre

Mais Conteúdo