Luiz Carlos Prates

Formado em psicologia, Luiz Carlos Prates nasceu em Santiago, no Rio Grande do Sul, e pratica o jornalismo há 58 anos. Homem de posicionamento, perspicácia e ponto de vista diferenciado, ele tece comentários provocativos, polêmicos e irreverentes, abordando os fatos do dia a dia e pautas voltadas a comportamento.

Estou avisando…

Atualizado

Vou contar um fato. A história aconteceu entre uma cabeleireira de Florianópolis e uma cliente dela. Foi assim. Uma jovem mulher, uns 42 anos, bonita, bem alinhada, foi ao salão de beleza da citada cabeleireira e disse a ela: – “Querida, quero dar um jeito no meu cabelo, ando me sentindo um horror, vê o que tu podes fazer por mim”!

A cabeleireira, cansada de ouvir isso, olhou bem para a cliente e lhe pediu para esperar um pouquinho. Foi lá dentro e voltou com um book de fotos, cabelos de vários estilos. Ato seguinte, a cabeleireira apontou para um determinado tipo de cabelo e sentenciou: – “Sugiro este estilo de cabelo para você, se ajusta ao teu biótipo e vai ficar uma gracinha”! A cliente olhou o modelo e esgarçou um sorriso: – “Lindo, lindo, gostei, vamos nessa”! Mal terminou a frase, voltou atrás: – “Ah, querida, desculpe, lembrei agora, esse estilo não vai dar, o meu marido não gosta desse tipo de cabelo…”. Em resumo, essa história.

Você, leitora, acredita nessa história? Claro que acredita, não há mulher no mundo que não acredite, e pela singela razão de que essa verdade do “o meu marido não gosta”, é um mantra universal na relação entre eles e elas. E é aí que começa mais uma história de “feminicídio”.

Os “fraldas-molhadas” da mamãe não admitem que suas namoradas, amantes ou esposas fiquem bonitas, se ajeitem, eles tremem sobre as sapatilhas, os frouxos não se garantem, maioria absoluta. Mas…

Se elas recuarem, se elas atenderem as sugestões deles, não raro, ordens dissimuladas, essa relação não vai acabar bem. Conheço mulheres que odeiam bigodes, aliás, a maioria, mas… Ficam quietas quando seus parceiros usam bigodes. Por que eles podem fazer o que querem e elas não podem cortar o cabelo? Estou te avisando, guria, não sejas frouxa, esse miminho da mãezinha não se garante e te quer ver feia, bem feia, sem amigas nem roupas elegantes… Fiques de olho, não sejas mais uma boca-aberta diante de um bobão-da-corte. Certo? É para o teu bem, corta logo esse mal pela raiz, corta logo, estou te avisando. Os teus pais não te ensinaram isso? Estou te avisando, evites os maus-tratos já, ou, pior, um feminicídio no ali logo… Estou te avisando!

LÍNGUA

– “Ai, Prates, quanta grosseria”! Não é grosseria, leitora, é verdade. Em muitas empresas há um álcool gel nos corredores para as pessoas limparem as mãozinhas sujas. Muito sujas… Mas deveria haver também um gel para a língua para que a pessoa não despejasse nos outros suas mágoas domésticas ou existenciais. Seria ótimo. Pena que para línguas sujas, sem educação, não exista nenhum gel para colocá-las nos eixos. Então, que alguém o faça…

FALTA DIZER

Ouça esta de uma revista religiosa: – “Eva acreditou na mentira de Satanás. Ela passou a desejar o fruto proibido, chegando até mesmo a comê-lo. Mais tarde, ela deu o fruto a seu esposo e ele também comeu…” Que belíssima lorota inventada por homens misóginos, medrosos de mulheres. “Pegar” esses caras…

 

Mais conteúdo sobre

Mais conteúdo

Luiz Carlos Prates

Americanos pesquisam tudo. Já descobriram, por exemplo, que 94% das mulheres não se gostam quando se veem no […]

Luiz Carlos Prates

Nem toda repetição é ruim, afinal, a repetição é a mãe do aprendizado. A repetição do que é […]

Luiz Carlos Prates

Conheço muitas pessoas bonitas, lindas mesmo… Por fora. Abrem a boca e se revelam toscas, grosseiras, sem graça, […]

Luiz Carlos Prates

Faz pouco, estava sentado, os olhos voltados para o nada e os dedos da mão esquerda tamborilando no […]