Luiz Carlos Prates

Formado em psicologia, Luiz Carlos Prates nasceu em Santiago, no Rio Grande do Sul, e pratica o jornalismo há 58 anos. Homem de posicionamento, perspicácia e ponto de vista diferenciado, ele tece comentários provocativos, polêmicos e irreverentes, abordando os fatos do dia a dia e pautas voltadas a comportamento.

Ética pela metade

Se aparecesse hoje sobre a Terra um novo Cristo, ele teria muito trabalho, teria até que montar uma empresa de chicotes, de tantos ele precisaria… E os hipócritas, a quem ele se referiu como sepulcros caiados, precisariam de muitas pernas para escapar ao laço…

De onde vem o meu ranço? Explico. Vem dos hipócritas da imprensa. Não sei quem inventou nas redações que noticiar suicídios não era interessante, induziria a potenciais suicidas a se jogar da ponte. Formidável asneira. Mas a ética velada existe, são poucos os casos noticiados abertamente como suicídios, mais das vezes os trapaceiros da notícia dizem que o sujeito “caiu” do 10º andar. Ora, quem é que cai de uma sacada? Ou então dizem que a causa-mortis não foi revelada…

Dou estas voltas, leitora, para lembrar que quando um comportamento é muito repetido, caso dos comportamentos dos pais, os que estão por perto perdem a surpresa ou adotam os comportamentos. Não os veem mais como “surpresa”. Voltando ao suicídio. Se a notícia pode induzir alguém à morte autoprovocada, por que não fazem isso com relação ao odiento feminicídio? Todos os dias, em todos os veículos de comunicação um caso ou outro, tudo nos detalhes, nos pormenores. Ora, se qualquer comportamento que muito se repete perto de nós perde o trauma ou vira imitação, o que dizer desse “incentivo” estúpido sobre as notícias em detalhes da morte de mulheres por parte de seus companheiros, machos impotentes? Não faz sentido. É uma ética torta. Os covardes estão cada vez mais e mais surrando e matando mulheres também por essa razão, fica-lhes no subconsciente a ideia de que é ação comum, que os “homens” fazem isso quando são frustrados por suas “servas”… E os tribunais dizem amém, pelo menos pelo tipo de pena que costuma ser dado aos homúnculos covardes.

E tanto o que digo é verdade que você pode observar nas redes sociais, o que antes produzia vergonha, agora pela multiplicação de “exemplos” virou coisa natural. Dia destes, uma atrizinha estúpida, para criticar o Jair, postou foto dela fazendo cocô, e dizendo que ela faz cocô todos os dias… Sem essa de economizar água da descarga… Agora é assim. Mas a prudência da imprensa é só para os suicidas que “caem” do 10º andar. Credo, que nojo!

MODA

Moda não, ignorância. Muita gente fazendo diagnósticos e se automedicando de suas possíveis doenças a partir de Aplicativos ou “pesquisando” na Internet. Depois vão se queixar da sorte, sintomas parecidos exigem diagnóstico diferencial preciso, função de médicos competentes. Na UTI não é lugar de arrependimentos…

FALTA DIZER

Fui para o site de notícias MSM e lá estava: “17 dicas para você ter mais saúde e viver mais”. Fui direto. Uma das dicas, bah, já dei aqui há muito tempo: casais em camas separadas. É uma beleza e não “impede” nada. Camas uma ao lado da outra, mas cada um na sua. O sono é mais tranquilo, evitam-se os entrechoques e as liberdades são preservadas. Os modernos já estão nessa há muito… Sem fazer beicinho.

Mais conteúdo sobre

Mais Conteúdo

Luiz Carlos Prates

– “Cala-te e ter-te-ão por sábio”, sentenciou o rei Salomão, o da Bíblia. Outra frase magnífica e na […]

Luiz Carlos Prates

Mais uma entrou para os meus arquivos temáticos, e entrou por sua qualidade de vida e longevidade. Meus […]

Luiz Carlos Prates

Velho muito cedo, sábio muito tarde. O que você acha? Eu achei interessante. “Velho muito cedo, sábio muito […]