Luiz Carlos Prates

Formado em psicologia, Luiz Carlos Prates nasceu em Santiago, no Rio Grande do Sul, e pratica o jornalismo há 58 anos. Homem de posicionamento, perspicácia e ponto de vista diferenciado, ele tece comentários provocativos, polêmicos e irreverentes, abordando os fatos do dia a dia e pautas voltadas a comportamento.

O “ar” de que precisamos para evitar a depressão e a morte acelerada

Atualizado

A história dela – a que vou contar a seguir – é uma história que se ajusta a muitas pessoas. Nunca sei para quem estou falando, logo, o que vou dizer bem que pode servir para você ou para alguém muito próximo a você ou mesmo para um amigo, uma conhecida…

Andei girando por canais de notícias e dei de cara com ela, a reconheci de imediato. Ela tem 70 anos, foi cantora de renome nacional ou, pelo menos, muito conhecida. Hoje ela está internada numa clínica de recuperação química e … emocional. Aí é que está o problema e por isso vim até aqui.

Perguntas que fiz, mentalmente, a ela e que posso fazer a muita gente na mesma condição em que essa cantora hoje se encontra. Primeira pergunta: a tua saúde “física” está bem? Está. Alguém da tua família está gravemente doente? Não, ninguém. Tens recursos financeiros para viveres razoavelmente bem? Tenho. Tens liberdade para ir e vir? Total. Tens uma casa de boa qualidade em que possas viver tranquila? Ótima casa.

Fiquemos nessas perguntas. Ela respondeu positivamente às perguntas mais importantes da vida: saúde, família, recursos financeiros para uma vida razoável e liberdade para ir e vir… Tudo positivo, como muita gente, aliás. Então, por que o problema hoje vivido? E o problema é – dependência química (álcool ou drogas…) e depressão…

A cantora vive com problemas de dependência química e depressão. E não tem razões para isso… Aí é que está, ela não difere de muita gente boa que anda por aí, sem problemas “reais”, mas encrencadas emocionalmente. Faço uma especulação: não estará a cantora nesse fundo de poço por que não é mais procurada para shows, para ir à televisão e cantar? Seguramente, é isso. Está faltando a essa mulher o que falta a muita gente: uma razão de entusiasmo na vida. E isso é muito comum com quem só tinha o Plano A na vida, sem qualquer Plano B em linha paralela. Esse Plano B é quase obrigação de todos nós, ter algo que possamos fazer com entusiasmo e amor sem dependermos de alguém senão de nós mesmos. A cantora está sem ar, ela se sente “morta” para a vida, a vida dela era subir aos palcos e cantar. Desse “ar” todos precisamos, sem ele é depressão e morte acelerada… O Plano B é um grande remédio, mas poucos o tem.

SIMPATIA

Fato comum nos corredores das empresas. Você encontra ou passa por uma pessoa, sorri, cumprimenta com simpatia e mal ouve um “oi” sem graça nem vontade como resposta. Uma vez, duas, três… ah, essa não, corte. Comece a passar “sem ver” das próximas vezes; pessoas emburradas, mal-educadas ou vivendo com os pés de fora não valem a pena, não valem nossa educação e amizade.

FALTA DIZER

 

Vendedor não é ofício para qualquer um… E é o único ofício onde os ganhos podem ser ilimitados. Não há gerente que proíba um vendedor de vender, vender e vender… E vendedor não senta, anda. E andando vai encontrar clientes. Sapatos ajudam…

Mais conteúdo sobre

Mais conteúdo

Luiz Carlos Prates

Vivemos procurando desculpas para os nossos amuos ou fracassos na vida. Acabei de ver um quadro no Balanço […]

Luiz Carlos Prates

É estranho, mas indesmentível: quem muito pensa não vive, sofre, tem medo. O muito pensar leva-nos a ponderar, […]