GM e Tupy pagam PPR e injetam milhões na economia de Joinville

General Motors (GM) e Tupy foram os destaques neste mês pelo pagamento de PPR (Plano de Participação nos Resultados). Uma delas, a Tupy, injetou cerca de R$ 7 milhões na economia de Joinville apenas com a primeira parcela do PPR. Já a GM pagou R$ 2.750,00 para cada funcionário, independente da faixa salarial, também referente à primeira parcela do plano.

A GM conta em Joinville com a sua maior fábrica de motores e cabeçotes da América Latina. Inaugurada em fevereiro de 2013, a planta passou de 15 mil m2 para 62 mil m2, ampliação esta que aumentou em mais de 400 empregos diretos e indiretos. Cada um de seus 600 funcionários já recebeu R$ 2.750,00 por esta primeira parcela e no início do próximo ano o PPR “poderá chegar a R$ 5.750,00” se as metas forem confirmadas, revela Rodolfo de Ramos, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Joinville.

Ao contrário da GM, que paga um valor comum para todos os funcionários, independente de seu salário, a Tupy faz a divisão do PPR de acordo com a faixa salarial e o departamento que trabalha (cada um possui uma meta). A primeira parcela foi paga em 11 de julho, oscilando entre R$ 850,00 e R$ 1.000. “Como são nove mil funcionários em Joinville, o plano de participação nos resultados colocou cerca de R$ 7 milhões na (economia) cidade”, acrescentou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos. A segunda parcela será paga em fevereiro de 2019. O aquecimento do mercado interno de veículos comerciais está obrigando a Tupy a criar 322 novos postos de trabalho em Joinville neste primeiro semestre, 50 delas ainda em aberto.

Mais conteúdo sobre

Mais Conteúdo