Entrevista: Tatiane Fontes a DJ que trocou as baladas pela maternidade

Atualizado

O gosto e o amor pela música herdou do pai, Fernando Fontes, o dono da noite em Florianópolis nas décadas de 1980. Do seu quintal de casa, discotecas como a Dizzy, Metrô e Shampoo, também veio a influência e a paixão pelas carrapetas. Mas a vida de sucesso dessa manezinha começou como modelo e atriz até tornar-se uma das DJ mais requisitadas da sua geração. Tati morou quase 20 anos fora do país, 15 deles só nos Estados Unidos e há quatro anos voltou para Florianópolis, desconectou-se da balada, e sua trilha sonora preferida são as cantigas de ninar. Hoje, a mãe da Nicole assumiu um estilo mais ‘low profile’. Largou o mundo glamouroso das baladas dos mais conceituados beach clubs, para a vida em família e com a filha do seu relacionamento com outro DJ, Fabricio Peçanha, mais perto das suas raízes. Mas se buscar seu nome no Google, lá está a bela DJ Tati Fontes, figurando como inspiração e referência para novas seguidoras.

Tatiana Fontes - Divulgação/ND
Tatiana Fontes – Divulgação/ND

A descoberta da carreira Comecei a discotecar sem muitas expectativas. Eu era modelo e atriz em Los Angeles, comecei a tocar em festas de amigos e clubes pequenos. Rapidamente começaram a me chamar para tocar em clubes maiores pelo mundo todo, fiz amizades com figuras do jet set e celebridades, toquei em festas badaladas e minha carreira deu um boom.

O mercado dessa profissão para as mulheres?

Hoje em dia está bem mais comum encontrar DJ mulher. Quando eu comecei era novidade, e eu sentia que da mesma maneira que chamávamos mais atenção, tínhamos que nos superar mais, éramos muito mais cobradas. Mas na verdade acho que em todas as profissões dominadas por homens, a mulher sempre tem que provar mais talento e profissionalismo.

O momento de maior sucesso Tive muita sorte de ter tido uma carreira de muito sucesso, do começo ao fim. Toquei em lugares incríveis, como Hong Kong, Indonésia, Filipinas, Marrocos, Itália, Espanha, China, Japão, México, Panamá, Costa Rica, Inglaterra, Jordânia, sem contar pelos Estados Unidos todo e no Brasil. Foram momentos de pura adrenalina, estar na cabine dominando as pistas, levando energia para as pessoas, manter o astral e a atualização musical me fez uma respeitada DJ. Isso vou levar para a vida, como exemplo de determinação e sucesso.

A maternidade e as mudanças

Mudou tudo! A maternidade me trouxe uma plenitude, uma satisfação que nunca tinha sentido antes. Mesmo com todo o meu sucesso pessoal e profissional, parecia que sempre faltava alguma coisa. Agora sei que era ser mãe. E vale a pena virar a página e incorporar esse novo papel, o de ser mãe.

Conciliar carreiras, é possível?

Eu já estou conseguindo. Mas não a de DJ. Quando voltei para Floripa resolvi que queria fazer um curso de cabelereira. Sem pretensões também, só para aprender algo novo e talvez no futuro investir nessa área como empreendedora. Acabei descobrindo que amo mexer com cabelos e que sou muito boa nisso. Tive a sorte de conhecer um grupo de profissionais com quem estou trabalhando faz um tempo e estou construindo com elas, não só uma relação comercial de sucesso, como uma amizade de grande valor.

Está dando um tempo?

Sempre me perguntam isso. Acho que não conseguiria deixar minha filha pequena sozinha e viajar pelo mundo. Por isso, escolhi investir numa profissão que não exija que eu viaje tanto. Amo viajar e quando a Nicole crescer mais um pouquinho quero levá-la para conhecer o mundo. Mas para curtir, sem compromissos profissionais.

RAIO-X TATI FONTES NASCEU EM FLORIANÓPOLIS SIGNO DE ESCORPIÃO, MÃE DE NICOLE

Mais Conteúdo