Floripa é uma ervILHA e outras comunidades do Orkut que fizeram a gente olhar mais para a cidade

Entrei no Orkut outro dia. Foi logo depois de anunciarem a data fatídica do site de relacionamento do Google: 30 de setembro de 2014. Não foi uma visita nostálgica. Foi uma visita para constatar que o Orkut, que introduziu os brasileiros no universo das redes sociais, também teve uma função de refrescar a memória de quem se aventurou por lá. Quem não foi atrás de seus amigos de escola, por exemplo? Eu fui. E reencontrei muitos colegas dos tempos de Instituto Estadual de Educação e até do Antonieta de Barros, onde estudei no início dos anos 80 (fiz o primeiro e segundo ano do primário lá).

Neste mergulho “arqueológico” no condenado Orkut também enxerguei que a onda flashback que contagiava o site favoreceu bastante a valorização de Florianópolis. As comunidades que tinham nossa cidade como tema principal eram recheadas de tópicos curiosos, divertidos, críticos, saudosistas. Se via de tudo. De gente de outras cidades pedindo dicas sobre a cidade e recebendo respostas de todos os tipos até gente compartilhando as lendas que permeiam a história da cidade. Havia também comentários tirando onda com os nossos vizinhos josefenses (“Tinha que ser de São José”), histórias figuraças de bairros tradicionais e até recados (bicudos) para os “haules” reclamões.

Lembrei até de uma polêmica relacionada a comunidade Eu Amo Floripa, que foi vendida em janeiro de 2007 por R$ 2 mil para uma empresa de comunicação com sede em Porto Alegre usar como ferramenta de marketing de um evento de verão. O rolo foi grande e o apego dos participantes à comunidade – 75 mil na época – gerou pedidos fervorosos de “devolvam nossa comunidade”. Desde o anúncio da compra, algumas mensagens postadas questionavam a legalidade da ação, outras defendiam o esvaziamento da comunidade como forma de “melar” o negócio. Eu ri. Mas também entendi o tom e a seriedade das críticas neste caso. Havia também um apego à cidade, às coisas da cidade.

Das comunidades sobre Florianópolis, uma das que eu achava mais curiosa era a Floripa é uma ervILHA, criada por Malu Ferreira em 22 de março de 2003. O nome é perfeito. E a ideia, sensacional, porque é isso mesmo: Florianópolis é mesmo um ervilha. Pequena e onde as pessoas se encontram ou se conhecem facilmente pela cidade, ideia reforçada na igualmente criativa comunidade Florianópolis tem três pessoas, criada em 26 de agosto de 2008. E não importa se cada dia mais chegam novos moradores ou que os números indiquem que as pessoas nativas estão em ficando em menor número.

Reprodução

Floripa é uma ervILHA uma das muitas comunidades sobre Florianópolis no Orkut

10 comunidades no Orkut sobre Florianópolis

Estar no Orkut fez bem para a gente curtir as coisas de Florianópolis. As boas risadas, por exemplo, que a gente dá hoje no Facebook com a galera do Floripa Mil Grau tirando onda de coisas da cidade, a gente dava participando comunidades do Orkut – “zueira” não tem fim. E para quem é de Florianópolis e esteve pelo Orkut, fiz uma lista com dez comunidades sobre a cidade. Faltou alguma?

Segue a lista.

Florianópolis

Floripa é uma ervILHA

Eu Amo Floripa

Ainda vou morar em Floripa!!!!

Nas trilhas de floripa

Eu nasci em Floripa

eu ja fui em florianopolis

Florianópolis tem três pessoas

Eu sou manezinho da ilha

Da ponte p/ cá tb é Floripa pô

Atualizado em 1º de agosto

Floripa Mil Grau no Orkut

Pessoal da página Floripa Mil Grau, depois de citados aqui no Mirante, decidiram corrigir a “falha” e também criaram uma comunidade no Orkut. Como eles costuma dizer, a “zueira” realmente não tem fim. Acessem o Floripa Mil Grau no Orkut enquanto não fecha o site.

Reprodução

O fenômeno do Facebook se rendeu ao Orkut

Mais conteúdo

Nenhum conteúdo encontrado