Empresas inovam para enfrentar a retração na venda de carros usados

A comercialização de veículos usados sofreu menos com a retração econômica do país em 2015, mas o resultado divulgado pela Fenabrave no início deste ano acendeu a luz de alerta também para este segmento. Em janeiro a comercialização de automóveis e comerciais leves usados no país caiu 10,78% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Houve redução também na venda de caminhões (-3,21%) e motos (-6,39%).

Para enfrentar este cenário, as revendedoras de veículos usados de Santa Catarina estão investindo em promoções, garantias maiores e ações diferenciadas de marketing. Um exemplo de estratégia diferenciada está sendo adotado pela Pemavel Veículos, localizada em São José, na Grande Florianópolis. Desde o mês passado a empresa oferece garantia de um ano para todos os seus carros. 

Em geral as revendas oferecem três meses de garantia para motor e caixa. “A garantia que nós estamos oferecendo é equivalente à de um veículo zero quilômetro, então o cliente tem não apenas a vantagem do preço, já que o seminovo tem preços mais atrativos, mas também a da segurança”, comentou um dos sócios da empresa, Maximiliano Noronha. Outra estratégia da empresa é prestar atendimento personalizado para os consumidores através de WhatsApp, chat online e as redes sociais.

Duas realidades

Não é novidade que o setor automotivo é um dos que mais está sofrendo com a retração econômica do país. Em 2015 escaparam dos resultados negativos apenas algumas marcas premium e parte dos principais segmentos de usados. Segundo dados da Fenabrave, a venda de automóveis usados em 2015 caiu 1,03% na comparação com 2014. Mas houve aumento na venda de comerciais leves (+1,99%) e motos (+1,84%). O emplacamento de carros zero quilômetro teve um resultado muito pior: redução de 24,06% de automóveis, 33,61% de comerciais leves e 10,96% de motos. As revendedoras de usados estão reagindo logo no início do ano para tentar não seguir esta linha.

Sabores de Altitude

A 3ª Vindima de Altitude, que começa nesta sexta-feira na Serra catarinense, terá como um de seus destaques o Festival Sabores de Altitude. Promovido pelo Sebrae/SC, o festival envolverá sete restaurantes de São Joaquim e Bom Jardim da Serra que criaram pratos exclusivos com ingredientes da região para o evento. Os pratos serão servidos com 50% de desconto durante todo o período da Vindima, que prossegue até o dia 27. Um dos pratos é a Bruschetta Italiana (foto), que custa R$ 20 e é servida pelo Snow Valley Design Restaurant de São Joaquim.

Anselmo Nascimento/Divulgação/ND

Entre os pratos que vão fazer parte do Festival Sabores de Altitude promovido pelo Sebrae/SC durante a Vindima está a Burschetta Italiana do Snow Valley Design Restaurant

Lição da Duas Rodas

O presidente da catarinense Duas Rodas, Leonardo Zipf, foi o palestrante do Verticalmoço promovido pela Acate ontem no Centro de Inovação Acate Primavera em Florianópolis. De acordo com o executivo da empresa de Jaraguá do Sul, 8% do faturamento da Duas Rodas é investido em inovação e tecnologia. “Inovar é gerar ideias e transformá-las em negócios rentáveis”, defendeu. Para Zipf, o atual cenário econômico do país traz vulnerabilidade, mas quem está disposto a investir em sistemas e políticas diferenciados pode aproveitar este momento para identificar grandes oportunidades no mercado.

Maiores variações…

Ontem o portal imobiliário VivaReal divulgou novos dados que comprovam a valorização das locações nas grandes cidades de Santa Catarina. Enquanto no país o valor médio do m2 para aluguel permaneceu estável em fevereiro, após desvalorizar 0,5% em janeiro, em Santa Catarina o movimento é inverso. Florianópolis e Joinville lideraram a valorização do m2 entre as principais cidades do país em fevereiro. Na Capital do Estado esse índice aumentou 3,45% no mês passado, na comparação com janeiro, enquanto a valorização em Joinville foi de 2,68%.

… de aluguel em SC

De acordo com a pesquisa feita pela VivaReal, o preço médio do m2 para locação em Florianópolis em fevereiro foi de R$ 20,69, enquanto em Joinville esse índice foi de R$ 14,56. Segundo o ranking, 12 grandes cidades do país apresentaram preço médio do m2 para locação maior que Florianópolis – a Capital catarinense empatou com São Caetano do Sul (SP), que teve queda no valor do índice de 0,67% em fevereiro. Em relação ao preço médio do m2 para a venda, Florianópolis registrou valorização de 0,58% em fevereiro enquanto Joinville ficou com o custo estável.

51%

das pessoas que compraram material escolar em Florianópolis fizeram pesquisa de preço antes de colocar a mão na carteira – o número é bem superior à média do Estado que ficou em 31,7%. Parece incrível, em tempos de inflação alta, que sete em cada 10 catarinenses ainda façam compras sem pesquisar antes, não? Esses números foram apurados pela pesquisa para a data feita em conjunto entre a Fecomércio/SC e a FCDL/SC. O tíquete médio de compras no Estado ficou em R$ 103,41 – e em Florianópolis em R$ 107,55. O faturamento na venda de material escolar caiu 3,8% na comparação com 2015.

Termelétricas a gás

A Diretoria Colegiada da Aresc (Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina) aprovou a resolução nº 054 que cria o segmento termelétrico a gás natural em Santa Catarina, abrindo uma nova frente para investimentos no Estado. De acordo com a resolução, o segmento vai contemplar “projetos de geração de energia a partir de gás natural por PIE (Produtores Independentes de Energia Elétrica) que recebam concessão ou autorização do poder concedente para produzir energia elétrica destinada ao comércio de toda ou parte da energia produzida”. O próximo passo antes dos investimentos começarem é a Aresc definir a estrutura tarifária para os usuários de gás natural enquadrados no segmento. 

Case para a Espanha

Os resultados obtidos com o projeto Viva Ciranda, programa de turismo rural pedagógico de Joinville, serão apresentados no X Citurdes (Congresso Internacional de Turismo Rural e Desenvolvimento Sustentável). O evento será promovido em outubro na Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha. Durante os cinco anos de atividade do projeto na cidade, as propriedades rurais que fazem parte do Viva Ciranda receberam 47 centros de educação infantil, 55 escolas municipais e 16 instituições de ensino da rede particular de Joinville e da região. Um belo exemplo a ser seguido por outros municípios.

Divulgação/ND

O projeto Viva Ciranda, que faz parte do programa de turismo rural pedagógico de Joinville, será apresentado no congresso internacional do segmento em Santiago de Compostela, em outubro

Mais Conteúdo