Pão & Vinho

Conheça os tipos de vinho, as características de cada um, as maneiras de harmonizar a bebida com as mais variadas refeições.

Tapas e bruschettas são grandes companhias para o vinho

Crostini de Tomate – Foto: João Lombardo

Tapas, pintxos, crostinis e bruschettas são deliciosos petiscos, principalmente para a primavera e o verão, estações quentes que sugerem leveza à mesa. Eles também são excelentes companheiros para o vinho. Sobre o pão, é possível fazer composições de sabor complexas e muito agradáveis. E, na hora de criar, escolher ingredientes que combinem bem com cada estilo de vinho.

Crostinis e bruschettas são preparos tipicamente italianos. A base é sempre pão. Crostinis são montados sobre fatias menores de pão. Na Itália, a ciabatta é muito usada para os crostinis. Já a bruschetta costuma ser montada sobre uma fatia maior, geralmente, aqui no Brasil, de pão italiano, que tem o miolo mais firme e compacto e pode conter todos os ingredientes que compõem o preparo. Na Itália, tapas e crostinis são servidos frios. No Brasil, há o hábito de aquecê-los.

É possível comer crostinis e bruchettas com várias coberturas. A mais clássica talvez seja a de tomates com manjericão e muçarela de búfala. Tem também de alcachofras, de tomates e de anchovas. Esses preparos mais leves combinam muito bem com espumantes, vinhos brancos e rosados. Crostinis e bruschettas mais intensas são elaboradas com berinjelas, cogumelos, queijos variados, presunto cru, fígado de frango e embutidos diversos. Para essas, o tinto é melhor companheiro. Tintos de leves a média estrutura, frescos, frutados e com alguma nota de especiaria.

Especialidades Bascas

Pintxo de Jamón – Foto: João Lombardo

Tapas e pintxos podem ser mais complexos. Principalmente os pintxos, que têm seu quartel general no País Basco, na Espanha. Ali, em cidades como Hondarribia e San Sebastián são realizados anualmente concursos para escolher os melhores pintxos da região. Seus autores fazem pequenas obras de arte culinária e combinam sabores diversos e aparentemente destoantes, como queijos de cabra com geleia e batatas-palha; pimentões e anchovas com molho doces; queijo, tomates e cebolas caramelizadas em açúcar. Essas composições tornam um pouco cuidadosa a escolha do vinho. A saída é buscar curingas.

Curingas

E quais são esses curingas? Espumantes são os primeiros a serem lembrados. Brancos bruts e pincipalmente demi-secs, que combinam com sabores que contemplam, num mesmo preparo, amargos, ácidos e doces. Espumantes e vinhos rosados também caem bem, principalmente se houver especiarias na composição. Pode-se escolher um vinho laranja, versátil e mais estruturado. Vinhos doces são mais delicados, mas podem ser usados ao lado de preparos que tiverem, por exemplo, queijo gorgonzola, patê de fígado ou frutos secos. No departamento dos tintos, deve-se escolher os mais frescos e frutados, com até média estrutura. Tintos muito pesados podem massacrar os delicados preparos.

Veja duas sugestões de vinhos para harmonizar com esses deliciosos preparos sobre pão.

Oro Vecchio – Foto: Divulgação Leone di Venezia

Oro Vecchio 2017 – Vinícola Leone di Venezia – São Joaquim – SC

Uvas Gewürztraminer, Grechetto e Vermentino. Vinho fermentado com as cascas, ao estilo dos primórdios da vitinicultura mundial. Cor ouro velho/âmbar. Aromas insinuantes, diferentes. Notas frescas de funcho e capim cidreira, frutas secas, damascos, toque floral e de especiarias. Bem estruturado em boca, intenso, presença discreta de taninos. Pode combinar com tapas e bruschettas mais leves e de média estrutura, como aquelas com cogumelos e fiambres (Leone di Venezia).

Arrogante Frog – Foto: Decanter Divulgação

Arrogante Frog Tutti Frutti Rouge 2017 – Arrogante Frog – IGP Pays D’Oc – Languedoc – França

Grenache, Merlot, Syrah, Mourvèdre, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc. Cor rubi com reflexos púrpuros. Intensos aromas de frutas vermelhas, morango, framboesas. Leve nota condimentada. Fresco em boca, com gostosa acidez e taninos leves. Não massacra as tapas mais leves e pode fazer um casamento gostoso com as de média estrutura. Talvez fique um pouco inferior às tapas e bruschettas mais intensas. Mas não ficará ruim  (Decanter).

Mais Conteúdo