Pão & Vinho

Conheça os tipos de vinho, as características de cada um, as maneiras de harmonizar a bebida com as mais variadas refeições.

Uvas italianas brilham nos vinhos da Villaggio Conti

Mais uma vinícola está fazendo sucesso com a produção de vinhos com uvas italianas nas altitudes de Santa Catarina. É a Villaggio Conti, localizada no Vale do Pericó, em São Joaquim. A empresa, fundada em outubro de 2018, tem no mercado 10 rótulos que conjugam uvas italianas com o terroir catarinense. “Nossa produção está ganhando visibilidade. Muita tem procurado nossos vinhos”, comenta Humberto Conti, proprietário da vinícola.

Do tabaco para a uva

Conti foi executivo de uma grande empresa de cigarros. Em 2010, ele adquiriu uma área rural no Vale do Pericó. E deu início ao cultivo de 8 hectares de uvas italianas a uma altitude de 1.300 metros com relação ao nível do mar. O primeiro vinho, um Montepulciano, foi elaborado em 2012. O resultado agradou. Em 2014, os vinhos começaram a ser produzidos em maior escala.

Mas foi em outubro de 2018 que nasceu oficialmente a Villaggio Conti, abraçada por vinhedos das castas brancas Malvasia, Vermentino, Grechetto, Ribola Gialla e Gewürztraminer; e das tintas Sangiovese, Nero d’Avola, Refosco, Teroldego Rotaliano, Aglianico, Rebo, Pinot Nero, a exótica Pignolo e, claro, a Montepulciano. Sobre a última, Conti comenta: “essa é a casta italiana que melhor se adaptou aos terrenos de altitude. Agora todo mundo está plantando a Montepulcianto”, observa.

Vinhos premiados

A Villaggio Conti tem uma produção pequena e caprichosa. Para este ano, estima um total de 20 mil garrafas de vinhos, distribuídos em 10 rótulos. Dois deles ganharam prêmios importantes no ano passado. O Rosso d’Altezza 2017 foi eleito o melhor Sangiovese do Brasil. O Pignolo 2017, o melhor vinho brasileiro de outras castas. Ambos foram premiados no Wines of Brasil Awards, concurso realizado pela ViniBraExpo, no Rio de Janeiro.

Conti informa ser “o único” produtor a plantar e a vinificar a uva Pignolo fora do Friuli, no nordeste da Itália, berço da variedade. Um vinho que se tornou ícone na vinícola. O rótulo mais vendido da empresa é o Conti Tutto, tinto à base de Sangiovese e Montepulciano. “É um vinho de entrada, com bom preço, frutado e fácil de beber”, comenta.

 Wine bar

Conti trabalha com o filho, Bruno, que administra o wine bar Vini di Altezza, o braço comercial da Villaggio Conti, instalado no bairro da Pedra Branca, em Palhoça, na grande Florianópolis. Na loja podem ser adquiridos todos os rótulos da vinícola. Eles também podem ser degustados em taças, acompanhando entradas como bruschettas e pratos à base de truta, o peixe emblemático da serra catarinense. Além de carnes, massas e risotos.

Provei quatro vinhos da Villaggio Conti. Divido as notas de prova com vocês.

Villaggio Conti Ribolla Gialla 2018

100% Ribolla Gialla. Fermentado e estagiado, por quatro meses, em barricas de carvalho americano. Cor palha clara. Aromas de frutas brancas e amarelas; notas amanteigadas, floral, funcho, baunilha. Boca fresca, acidez agradável, untuoso no paladar, boa intensidade.

Arancione 2019

Ribolla Gialla, Grechetto, Vermentino e Malvasia. Vinho laranja. No processo de produção as cascas das uvas ficaram 4 meses em contato com o mosto. Aromas de frutas amarelas, manga, damasco. Toques de frutas cristalizadas, frutas secas. Boa acidez, intenso no paladar, toque de taninos.

Rossa d’Altezza 2018

80% Sangiovese, 10% Montepulciano, 10% Teroldego. Estágio de 14 meses em barricas de carvalho. Cor púrpura leve. Aromas de frutas vermelhas e negras, cerejas, amoras. Notas de especiarias, baunilha, coco, leve tostado, resina. Fresco e frutado no paladar, untuoso, taninos finos.

Pignolo 2017

100% Pignolo. Estágio de 18 meses em barricas de carvalho francês. Cor púrpura. Aromas de frutas vermelhas, ameixa, framboesa, cereja. Notas de especiarias, baunilha, chocolate, alcaçuz. Toques tostados. Acidez deliciosa, longo, intenso, taninos finos.

Mais conteúdo sobre

Mais Conteúdo