Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.

Um rastreamento feito pela PGE permitiu o bloqueio dos R$ 11 milhões da Veigamed

O bloqueio de R$ 11 milhões à Veigamed no caso dos respiradores ocorreu por uma ação ajuizada pela Procuradoria Geral do Estado, segundo destacou o presidente da Associação dos Procuradores de SC, Juliano Dossena , sublinhando que apesar “dos fortes ataques institucionais a carreira dos Procuradores do Estado, todos seguem comprometidos e trabalhando silenciosamente em defesa da sociedade catarinense, enquanto querem nos desmoralizar publicamente.” Dossena se refere a decisão do TCE sustando o pagamento da verba de equivalência aos procuradores. A decisão está baseada em análises técnicas e legais e não em desqualificações da categoria e muito menos em desmoralizações até porque os procuradores merecem sim respeito e consideração pelo trabalho que exercem com seriedade e dedicação em defesa do Estado. E já comprovaram isso. Não é por ai. Tanto que o pagamento autorizado pelo governo é que está sendo questionado e considerado ilegal pelos conselheiros do Tribunal de Contas, gerando inclusive pedidos de impeachment contra o governador. Esse é o ponto. O trabalho da PGE garantiu o rastreamento de patrimônio da empresa ao identificar a Veigamed em uma compra de testes para Covid-19. A partir daí a PGE, em articulação com a Secretaria da Fazenda e a Polícia Civil, conseguiu o bloqueio de R$11,2 milhões.

Mais Conteúdo