Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.

Vinho mais barato

Depois de um desgaste nada produtivo com o segmento agropecuário, por conta de cortes nos incentivos fiscais , que ainda produzem desconfianças , o governador Moisés assinou um decreto está semana beneficiando os produtores de vinho aqui do Estado. Demonstrou sensibilidade e atenção a um importante setor produtivo Catarinense e que mexe inclusive com o turismo. A partir do dia 1*de outubro não será mais cobrada a ST (substituição tributaria). Trata-se de um imposto estadual que representa um acréscimo no valor do produto de 12,54% para quem está no Simples, mas maior para quem está em outra classificação, chegando a 17% . Isso pode significar uma redução no preço do nosso vinho ao consumidor , pois vai ficar mais barato. Para se ter uma ideia esse imposto no Rio de Janeiro é de 49,59% . Cada estado tem o seu, alguns não cobram. Ou seja, a metade do que se paga por um vinho no Rio vai para o governo, que é o maior beneficiado em detrimento do produtor. E caro. Por aqui o governador Moisés tirou esse imposto apostando no aumento da produção e do consumo, que provocará efeitos positivos na arrecadação. Os vinicultores estão otimistas e agradecidos por esse reconhecimento endossado pelo governador. O nosso vinho acaba sendo preterido, muitas vezes pelo preço, devido a carga tributária que incide também na sua origem , ou seja, produção . E o governador também prometeu rever essas taxas que oneram a produção , durante um jantar com donos de vinícolas na Agronômica. Há uma forte preocupação com o acordo assinado pelo presidente Bolsonaro com o Mercado Comum Europeu. O vinho chegará aqui a preços incompatíveis com o produzido no Brasil, prevendo com isso uma quebradeira. Há esse temor, por isso a defesa da aprovação do projeto que tramita, há anos no Congresso, assinado pelo então senador Casildo Maldaner e o deputado Edinho Bez , transformando o imposto do vinho em alimento e não em bebida alcoólica, como acontece em toda Europa e inclusive nos vizinhos Chile e Argentina. Tornara nosso produto mais barato e acessível a mesa do consumidor, além de competitivo. A decisão do governador foi um alento elogiado pelos vinhateiros , ou seja, donos de vinícolas produtoras de nosso premiado vinho.

Mais Conteúdo

Paulo Alceu

Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública revelam que oito pessoas desaparecem por hora no Brasil. De 2007 […]