Cacau Menezes

Apaixonado pela sua cidade, por Santa Catarina, pelo seu país e pela sua profissão. São 45 anos, sete dias por semana, 24 horas por dia dedicados ao jornalismo


As lições do momento para quem tá se passando

Efeito Dunning-Kruger

Foto: SSP/Divulgação/NDFoto: SSP/Divulgação/ND
Multidão de pessoas durante a virada em Balneário camboriú – Foto: SSP-SC/Reprodução/NDMultidão de pessoas durante a virada em Balneário camboriú – Foto: SSP-SC/Reprodução/ND
– Foto: www.canva.com– Foto: www.canva.com

Em 1999, um sujeito foi preso após assaltar um banco sem máscara. Detido logo após o roubo, o ladrão mostrou-se surpreso. Não esperava ser capturado pela polícia, pois havia visto na internet que passar suco de limão no rosto o tornaria invisível às câmeras de segurança. E mais: antes, havia testado sua hipótese em casa. Passou suco de limão no rosto e tirou uma foto. Nada de sua imagem. Ocorre que, ao tirar a foto, ele distraidamente apontou sua câmera para o lado. A ausência de sua imagem o levou a concluir que poderia ficar invisível.
David Dunning e Justin Kruger, pesquisadores da Universidade Cornell em Nova York, assombrados com o caso, iniciaram uma pesquisa para tentar responder porque existem pessoas tão estúpidas. A pesquisa tornou-se mundialmente conhecida e concluiu que quanto mais uma pessoa tem certeza, menor é seu conhecimento e sua inteligência e maior o seu percentual de erro em tudo. Quanto mais uma pessoa tem dúvidas, maior for o conhecimento, e menor a certeza, maior o percentual de acertos. Existem indícios de que estupidez, ganância e sede de poder andam de mãos dadas. Fica fácil notar isto quando se observa a administração pública. O estúpido exercendo um alto cargo não se incomoda em errar, não tem vergonha. Ele tem a certeza de que faz tudo certo. E seus seguidores fanáticos também.
Os enganadores, os estelionatários e todos os que se dedicam a levar vantagem podem não conhecer o Efeito Dunning-Kruger, mas sabem, com absoluta certeza, que a maioria das pessoas pode ser facilmente enganada por duas razões: falta de conhecimento e preguiça mental. A busca por respostas adequadas exige do nosso cérebro uma quantidade imensa de energia. E grande parte das pessoas não está disposta a pensar.”