Marcos Cardoso

A sociedade da Grande Florianópolis, os eventos culturais e as tradições da região analisadas pelo experiente jornalista Marcos Cardoso.


Entrevista: Karen Francesca Schwinden

A primeira cônsul honorária de Luxemburgo em Santa Catarina fala sobre a importância de uma representação diplomática no Estado e quem pode requerer a cidadania daquele país

Karen Francesca Schwinden, cônsul honorária do Grão-Ducado de Luxemburgo em Santa Catarina – Foto: Divulgação/NDKaren Francesca Schwinden, cônsul honorária do Grão-Ducado de Luxemburgo em Santa Catarina – Foto: Divulgação/ND

Ela é a primeira titular do Consulado Honorário do Grão-Ducado de Luxemburgo em Santa Catarina, instalado oficialmente no dia 11 de março de 2019, em Palhoça. De início, ficará no cargo por cinco anos, mas o período é prorrogável a critério do governo daquele país.

Estreitando relacionamentos entre Brasil e Luxemburgo, Karen colabora com a diplomacia e promove a cultura luxemburguesa, trazida para o Estado a partir do século 19 pelos imigrantes que atravessaram o oceano durante 90 até 180 dias para se fixarem na mesorregião da Grande Florianópolis.

Estima-se que haja mais de cinco mil descendentes no território catarinense.

Karen Schwinden é empossada como cônsul honorária de Luxemburgo em SC pelo embaixador de Luxemburgo no Brasil, Carlo Krieger, em 2019 – Foto: Divulgação/NDKaren Schwinden é empossada como cônsul honorária de Luxemburgo em SC pelo embaixador de Luxemburgo no Brasil, Carlo Krieger, em 2019 – Foto: Divulgação/ND

O que motivou a instalação de uma representação diplomática do Grão-Ducado de Luxemburgo aqui?

A quantidade de descendentes luxemburgueses em Santa Catarina. A possibilidade de instalação iniciou-se em 2018, por iniciativa do embaixador de Luxemburgo no Brasil, Carlo Krieger.

Há concentração de descendentes luxemburgueses em outras regiões do Brasil como em Santa Catarina?

Sim. Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo, por exemplo.

Da esq. para dir.: o cônsul geral honorário de Luxemburgo em SP, Jan Eichbaum, o embaixador Carlo Krieger, Karen Schwinden e o irmão dela, Newton José Schwinden Filho, no jantar em homenagem ao embaixador, em 2018 – Foto: Pâmella Correia e Leonardo Correia/Divulgação/NDDa esq. para dir.: o cônsul geral honorário de Luxemburgo em SP, Jan Eichbaum, o embaixador Carlo Krieger, Karen Schwinden e o irmão dela, Newton José Schwinden Filho, no jantar em homenagem ao embaixador, em 2018 – Foto: Pâmella Correia e Leonardo Correia/Divulgação/ND

Quais são as atribuições do Consulado Honorário?

A princípio, tem suas atribuições legais voltadas à valorização da cultura, costumes, bem como orientar os cidadãos luxemburgueses que aqui residem. Também deve atender cidadãos luxemburgueses que venham a Santa Catarina como turistas, na entrega de passaportes enviados pela Embaixada de Luxemburgo no Brasil e empresários brasileiros que queiram investir em Luxemburgo.

O que significa para Santa Catarina ter uma representação diplomática de Luxemburgo?

Materializa a importância deste estado-membro no contexto do Grão-Ducado. Também resgata as origens desta parte grande da população catarinense, bem como divulga a cultura e sociedade luxemburguesa em Santa Catarina.

Da esq. para dir.: Karen Schwinden, o embaixador Carlo Krieger, o cônsul Jan Eichbaum e o marido dela, o desembargador Cid José Goulart Júnior – Foto: Pâmella Correia e Leonardo Correia/Divulgação/NDDa esq. para dir.: Karen Schwinden, o embaixador Carlo Krieger, o cônsul Jan Eichbaum e o marido dela, o desembargador Cid José Goulart Júnior – Foto: Pâmella Correia e Leonardo Correia/Divulgação/ND

Muitos catarinenses estão requerendo cidadania luxemburguesa. O que tem motivado o fluxo neste momento?

Inicialmente a descoberta de ser um descendente luxemburguês. O dinamismo da economia europeia e os benefícios que um passaporte europeu propicia, visto que o referido passaporte é um dos mais fortes do mundo, no sentido de dispensa de vistos e facilidades de investir ou trabalhar no exterior.

Quem tem direito à cidadania luxemburguesa e como proceder para obtê-la?

Após 31 de dezembro de 2018, a lei permite que apenas descendentes em linha direta possuem direito à cidadania (veja quadro abaixo). Os documentos necessários para o pedido da cidadania estão no site consuladoluxemburgo.com.br.

Alguns sobrenomes originários de Luxemburgo mais comuns em Santa Catarina. Porém, os mesmos podem existir em países diferentes.

Angeli, Arend, Becker, Bley, Bertemes, Braun, Colling, Decker, Dreschler, Eller, Engel, Engler, Faber, Goedert, Haas, Hansen, Heiderscheidt, Hermann, Hess, Hugueney, Kammers, Kapp, Kaufmann, Kieffer, Klein, Koch, Koerich, Kremer, Krieger, Künsch, Lenz, Mannes, May, Meyer, Michels, Mombach, Müller, Olinger, Peiffer, Reuter, Royer, Schadeck, Schaeffer, Schappo, Schmitt, Schneider, Schroeder, Schulze, Schumacher, Schumann, Schutz, Schwartz, Schwinden, Steil, Stoffel, Thomas, Turnes, Vilvert, Wagner, Weber, Weiss, Zimer, entre outros.

Brasão de Luxemburgo entalhado em madeira pelo artesão local Everaldo e presenteado ao embaixador Carlo Krieger, em 2018 – Foto: Pâmella Correia e Leonardo Correia/Divulgação/NDBrasão de Luxemburgo entalhado em madeira pelo artesão local Everaldo e presenteado ao embaixador Carlo Krieger, em 2018 – Foto: Pâmella Correia e Leonardo Correia/Divulgação/ND

+ Marcos Cardoso