Mãe desenvolve boneca com nanismo para promover inclusão da própria filha em Joinville

Projeto “Somos todos gigantes”, do Instituto Nacional do Nanismo, abre portas para inclusão das crianças

Mais de um ano de trabalho e o resultado estampado no rosto de Luiza, de apenas quatro anos. O projeto “Somos todos gigantes” foi desenvolvido por Bianca Oliveira do Prado, conselheira do Instituto Nacional do Nanismo, e mãe de Luiza.

Projeto “Somos todos gigantes”, do Instituto Nacional do Nanismo, abre portas para inclusão das crianças – Foto: Arquivo Pessoal/DivulgaçãoProjeto “Somos todos gigantes”, do Instituto Nacional do Nanismo, abre portas para inclusão das crianças – Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação

“Eu me emociono sempre que falo dela, não é um choro de tristeza, é de felicidade, de amor, do que ela tem nos ensinado e a todos que convivem conosco. É uma lição de vida diariamente”, fala.

Ela descobriu que a filha teria nanismo no oitavo mês de gestação e o nascimento de Luiza transformou a vida do casal e de Bianca. Desde o nascimento, a busca incessante por atividades de inclusão e estimulação a fizeram conhecer o Instituto Nacional do Nanismo.

A ideia da boneca surgiu de um congresso. O Instituto, conta a mãe, tem diversos produtos, mas ela queria incluir as crianças e daí surgiu a ideia das bonecas.  “A ideia da boneca veio no último congresso e sempre quis trazer algo para as crianças, não tínhamos uma marca do instituto para as crianças. A Luiza sempre foi minha boneca viva e eu queria fazer algo para ela”, lembra.

Dinheiro arrecadado é revertido ao Instituto Nacional do Nanismo – Foto: Gladionor Ramos/NDTVDinheiro arrecadado é revertido ao Instituto Nacional do Nanismo – Foto: Gladionor Ramos/NDTV

A artesã Caroline Oliari comprou a ideia e passou um ano desenvolvendo o protótipo que surpreendeu Bianca. Entre as quatro opções, uma tinha todas as características de Luiza, que não desgruda da boneca.

“A Carol comprou esse projeto comigo e começamos a trabalhar em cima da boneca e como ela fica separada de mim, fica com a minha sogra na praia a semana toda, a boneca veio como consolo”, fala.

Luiza não desgruda da boneca, criada para ela e a mãe, se emociona com o desenvolvimento e a inclusão a partir de uma ação simples. É o amor de mãe transformando vidas.

As bonecas podem ser encomendadas, personalizadas e o dinheiro é revertido ao Instituto Nacional do Nanismo.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Cidadania

Loading...