Vídeo: Menino distribui mangas após boa colheita em SC: ‘peguem à vontade’

Gustavo de Honorato Pelissari, de 12 anos, é morador de São Miguel do Oeste e deu exemplo de solidariedade chamando a atenção dos moradores do município

Enquanto ajudava a mãe a juntar as mangas no quintal de casa, Gustavo de Honorato Pelissari, de 12 anos, teve uma excelente ideia. Ao ver que a quantidade de frutas era maior do que a família consumiria, decidiu compartilhar as mangas com quem passava em frente a sua casa, localizada no Centro de São Miguel do Oeste, no Extremo-Oeste de Santa Catarina.

Na imagem aparece o menino Gustavo com uma manga na mão. Ele está em pé com uma camiseta vermelha e um calção jeans azul escuro e calça um tênis preto com as meias cinzas. Gustavo aponta com a mão esquerda para a caixa de mangas que está em frente a sua casa. Em cima tem uma placa escrito Peguem a vontade. O exemplo do menino chamou atenção no município. – Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução/ND

O menino conseguiu duas caixas de madeira no supermercado do bairro e colocou as mangas. Junto, disponibilizou sacolinhas e em uma folha de papel, que se tornou uma placa, escreveu: “Peguem à vontade”. A intenção, segundo Gustavo, é que as pessoas que passam pela rua levem as frutas para casa.

As duas mangueiras foram plantadas pelo avô do menino, há cerca de 30 anos. “Quando chega a época, as mangueiras ficam carregadas e dão mais frutas do que a gente consegue comer. Percebi que poderíamos repartir com as outras pessoas”, relata.

Gustavo conta que a notícia circulou a cidade e muitas pessoas começaram a ligar pedindo se ainda tinha mangas. “Elas passam aqui e pegam e eu fico muito feliz. Desde pequeno meus pais me ensinaram a ser solidário e a repartir as coisas”.

Exemplo que vem de casa

Gustavo é filho único e tem nos pais, Paulo Cesar Pelissari e Rosemeri de Honorato Pelissari, o exemplo de amor ao próximo. A mãe relata que o menino sempre teve esse jeito solidário. 

“Quando a gente morava em Jaraguá do Sul eu trabalhava na casa de uma mulher que tinha uma fruteira e, as vezes, ela nos dava algumas frutas. Eu levava para casa e dividia com os vizinhos, então desde criança ele pegou isso como exemplo”, explica a mãe. 

Para ela, a atitude do filho é motivo de orgulho e demonstra que a família tem conseguido passar a mensagem sobre a importância da corrente do bem.  “Sempre converso com ele sobre fazer o bem porque isso volta para nós. Deu resultado. Que sirva de exemplo para que todos. A intenção é sempre dividir com o próximo”. 

A caixa com as mangas foi colocada em frente a casa da família. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND
1 4

A caixa com as mangas foi colocada em frente a casa da família. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND

O exemplo do menino chamou atenção no município. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND
2 4

O exemplo do menino chamou atenção no município. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND

Gustavo tem o exemplo dos pais Rosemeri e Paulo. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND
3 4

Gustavo tem o exemplo dos pais Rosemeri e Paulo. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND

O menino toca gaita desde os seis anos de idade. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND
4 4

O menino toca gaita desde os seis anos de idade. - Arquivo Pessoal/Reprodução/ND

Gaiteiro reconhecido

Rosemeri também atribui a simpatia e a humildade de Gustavo com o amor pela música, o qual está em suas raízes, uma vez que seu avó paterno era gaiteiro.

O menino toca gaita desde os seis anos de idade e frequentemente participa de apresentações e festivais de música. Em São Miguel do Oeste venceu os dois últimos festivais na categoria dele. O pai, Paulo, é seu grande apoiador e incentiva o filho a seguir seus sonhos na música.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Chapecó e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.