João Paulo Messer

messer@ndtv.com.br Política, economia, bastidores e tudo que envolve o cotidiano e impacta na vida do cidadão de Criciúma e região.


Morre Hélcio Bianchini Góes, figura pública de grande influência em Criciúma

Aos 90 anos, Hélcio Bianchini Góes faleceu nesta terça-feira (14), em Criciúma, onde escreveu ricos capítulos na história de instituições do sul de Santa Catarina

Poucas histórias da cidade de Criciúma, nestas últimas décadas, podem ser contadas sem incluir na lista dos protagonistas o nome do advogado Hélcio Bianchini Góes. Personagem de forte influência regional faleceu na tarde desta terça-feira (14).

Hélcio Bianchini Góes, faleceu aos 90 anos, nesta terça-feira (14) em Criciúma. Na foto está diante da biblioteca que foi integralmente doada à Unesc em, abril deste ano. – Foto: Arquivo pessoal.Hélcio Bianchini Góes, faleceu aos 90 anos, nesta terça-feira (14) em Criciúma. Na foto está diante da biblioteca que foi integralmente doada à Unesc em, abril deste ano. – Foto: Arquivo pessoal.

Natural de Laguna onde nasceu em 1931, Hélcio transferiu-se à Criciúma na segunda metade da década de 1950, já como um dos poucos advogados da época na região. De lá para cá seu nome foi inscrito em documentos que contam fatos relevantes, entre eles a criação de instituições que perduram até os dias de hoje.

Advogado de formação, mereceu pela OAB a honraria que lhe concedeu a Medalha João Baptista Bonassis. Embora afastado do círculo de reuniões e encontros nos últimos anos, sempre teve seu nome lembrado. Enquanto participou de atividades ostentava com orgulho o fato de ser um dos primeiros a ser inscrito na ordem dos advogados catarinenses: era o número 279 da OAB/SC, como lembrava.

Casado com Cylésia Corrêa, teve três filhos: Tatiana, Cláudia e André, que faleceu em agosto do ano passado (2020), aos 56 anos, de infarto fulminante e que era advogado como o pai. Hélcio teve seis netos, sendo um já falecido.

O velório acontece nesta quarta-feira (15) no Crematório Millenium, onde serão feitas as últimas homenagens previstas para às 15h.

Seu último e grande gesto público ocorreu em abril deste ano quando ele fez a doação de sua biblioteca pessoal, com mais de 800 volumes, da área do direito à Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina.

Hélcio foi jogador do Figueirense na década de 1950 e dirigente do Criciúma Esporte Clube.

A Associação Empresarial de Criciúma emitiu nota oficial pela perda do seu dirigente

NOTA NA ÍNTEGRA

O presidente da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), Moacir Dagostin, em nome de toda a diretoria e associados à entidade, lamenta profundamente o falecimento do advogado Hélcio Bianchini Góes, ocorrido nesta terça-feira, 14, e presta sua solidariedade aos familiares.

Formado pela Faculdade de Direito do Estado de Santa Catarina (atualmente Universidade Federal de Santa Catarina), em 8 de dezembro de 1957 e inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção de Santa Catarina, em 20 de fevereiro de 1958, exerceu relevante papel no desenvolvimento socioeconômico do Sul do Estado, atuando como especialista em Direito Societário, Comercial e Civil, além da contribuição a inúmeros projetos.

Foi sócio fundador e ex-presidente do Lions Clube Criciúma-Centro; sócio fundador, ex-presidente (na época, Comerciário) e ex-conselheiro do Criciúma Clube; ex-presidente da Comissão de Construção do Estádio Heriberto Hülse; vice-presidente da Sociedade Recreativa Mampituba; diretor secretário da SATC; sócio fundador da Bianchini Góes Advocacia e Consultoria S/C.

Também foi membro da diretoria da Conferência São José da Sociedade São Vicente de Paulo (mantenedora do Asilo São Vicente de Paulo); integrante das Equipes de Nossa Senhora por quase 50 anos e contribuiu para a criação da Diocese de Criciúma.

Moacir Dagostin – Presidente da Acic

Loading...