11ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis divulga selecionados para a mostra competitiva

Festival será realizado de 29 de junho a 15 de julho no Teatro Pedro Ivo

Divulgação

O paranaense “Máquina de Sorvetes”, de Cristopher Faust, é um dos escolhidos

A 11ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis divulgou a lista de 87 curtas-metragens que vão concorrer na mostra competitiva do evento. A curadoria recebeu 127 filmes, enviados pela internet — uma inovação desta edição da mostra, que é a primeira no Brasil a implementar essa novidade.  O festival será realizado de 29 de junho a 15 de julho no Teatro Pedro Ivo, e além dos curtas inclui a exibição de longas, oficinas, discussões e um show de encerramento, que ainda será definido.

As inscrições tiveram um aumento de 10% em relação ao ano passado, e a seleção final tem curtas de todas as regiões brasileiras. O estado com maior participação ainda é São Paulo, com 33 filmes selecionados. Santa Catarina tem dois, “Caranga – do outro lado do manguezal”, de José Francisco Peligrino Xavier (Chicolam), de Joinville, e “Doce Turminha e o passeio nas nuvens”, de Eduardo Drachinski, de Florianópolis.

Para a diretora da Mostra, Luiza Lins, o envio dos filmes pela internet — além de ser uma opção mais ecológica — facilitou a inscrição de produções brasileiras e de fora. Este ano, um filme italiano e duas co-produções do Brasil com outros países foram selecionados.

A curadoria foi feita de forma remota, com a coordenadora Melina Curi na Irlanda, Luiza aqui e uma consultora de educação no Rio de Janeiro. Segundo a diretora, a qualidade dos filmes inscritos é melhor a cada ano, tanto do ponto de vista técnico quanto do conteúdo. “O que fico mais feliz é que a mostra é hoje a grande janela do cinema infantil brasileiro. Quer saber o que está sendo produzido no Brasil para criança? A mostra é esse recorte”, diz.

Espaço para discutir e pensar os rumos do cinema infantil

O 8º Encontro Nacional do Cinema Infantil, realizado junto à mostra, deve ter a produção de animação no país como tema principal. O gênero predomina na mostra competitiva do festival, com 51 concorrentes.

Outra atividade consagrada nas últimas edições é o Pitching, uma sessão na qual os produtores apresentam seus projetos a uma banca avaliadora e têm a chance de participar do BUFF Festival, na Suécia, que é parceiro da mostra de Florianópolis. Este ano haverá também uma oficina sobre a prática, que é essencial para a inscrição em editais, por exemplo.

A programação também terá pré-estréias de longas-metragens convidados, como o uruguaio “Selkirk”, de Walter Tournier. A proposta é trazer diretores e atores para conversar com as crianças. “A gente acredita que é conversando com as elas e entendendo o universo delas que a gente vai conseguir fazer um cinema para elas”, diz Luiza.

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Cinema