Mancha

marcelo.cabral@ndtv.com.br O melhor dos esportes de ação, olímpicos, artes-marciais e modalidades não convencionais, com o olhar diferente e multicultural de Marcelo Mancha. Se deixar ele coloca um som para embalar as notícias e dar movimento aos atletas que brilham no Brasil e no Mundo! Aqui o esporte tem espaço. Só vem!


Patagonia Run: atleta brasileiro estabelece novo recorde nacional

O corredor paranaense Juliano Saddock completou as 100 milhas da Patagonia Run em 25h 3min 17seg

O principal circuito de corridas de montanha da América Latina, a Patagonia Run, realizada na cidade argentina de San Martin de Los Andes, contou com recorde brasileiro na edição deste ano.

O paranaense Juliano Saddock, analista de eventos do Sesc Paraná, correu o mais longo percurso do circuito – 160km (100 milhas) – completando o trajeto em 25h 3min 17seg.

Juliano Saddock estabelece novo recorde brasileiro na Patagonia Run 2022 – Foto: arquivo pessoalJuliano Saddock estabelece novo recorde brasileiro na Patagonia Run 2022 – Foto: arquivo pessoal

Foi o melhor tempo de um brasileiro na história da competição. O resultado trouxe o 11º lugar geral masculino e 4º lugar na categoria 30/39 anos.

A prova ainda conta com outras distâncias: quilômetro vertical (somente subida), circuitos de 10km, 21km e 42km e as ultra maratonas de 70km e 110km.

Com variação de temperaturas entre 4º e 28º graus, o maratonista largou às 11h do dia 7 do lado do Lago Lacar e percorreu 160 km em terreno de trilha – estação de esqui do Cerro Chapelco e parque de preservação do Colorado eram algumas das paisagens – com subida de 8.670 metros (ganho altimétrico acumulado).

Patagonia Run 100 Milhas: Juliano Saddock completou o trajeto em 25h3min17seg – Foto: arquivo pessoalPatagonia Run 100 Milhas: Juliano Saddock completou o trajeto em 25h3min17seg – Foto: arquivo pessoal

Este é o principal percurso do evento e válido como Spartan World Championship, mundial do circuito de provas internacional, com 14 mil dólares em premiação. Para quem não é corredor da elite, a premiação é completar a prova que neste ano teve 43% de desistência entre os mais de seis mil atletas inscritos em todas as corridas.

“Uma prova de um dia inteiro tem suas peculiaridades. Você tem que conhecer suas capacidades e saber respeitá-las: comer e se hidratar na forma e quantidade certa durante o dia todo em movimento, correr à noite e privação de sono. Planejamento e gestão testados a ferro e fogo” – revelou Juliano.

Para se inscrever no maior circuito da Patagonia Run, o corredor precisa de 12 pontos na Associação Internacional de Corrida em Trilhas (ITRA, sigla em inglês).

A pontuação é conquistada terminando provas cadastradas também na associação ou completando o circuito de 160km da Patagonia Run em menos de 26 horas. Feito conquistado pelo maratonista nos anos de 2018 (12º lugar) e 2019 (36º lugar), na categoria 30/39 anos.

Juliano Saddock registrando o visual de San Martin de Los Andes, na Argentina, local da prova. – Foto: arquivo pessoalJuliano Saddock registrando o visual de San Martin de Los Andes, na Argentina, local da prova. – Foto: arquivo pessoal

Após cinco anos treinando para ultramaratona, Juliano se despede da Patagonia Run.

“Tive uma estreia, um tropeço e a redenção com o melhor resultado de um brasileiro na história do evento, um desfecho perfeito” – resume o atleta, que justifica a despedida por conta dos custos para participar do evento e família.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...