Aos 89 anos, pandemia faz vovó de SC reviver dom de fazer chapéus de palha

Dona Graciosa Pagnussat se isolou na pandemia e voltou a montar os adornos, algo que fazia no tempo de solteira e que aprendeu com a mãe

As restrições de visitas em casa durante a pandemia fez com que dona Graciosa Dalla Rosa Pagnussat voltasse a confeccionar chapéus de palha. A senhora, de 89 anos, moradora de Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, tem a habilidade de poucos. Esse dom vem de berço, pois aprendeu com sua mãe a fazer as tranças para montar o acessório que é muito utilizado pelos colonos na roça.

Dona Graciosa usou do isolamento nessa pandemia para confeccionar chapéus – Foto: Carolina Debiasi/NDDona Graciosa usou do isolamento nessa pandemia para confeccionar chapéus – Foto: Carolina Debiasi/ND

Dona Graciosa é gaúcha natural de Vila Maria, mas há 25 anos veio morar em Chapecó. Ainda quando solteira, ela fazia os chapéus para serem usados pela família, pois trabalhavam na roça e precisavam se proteger do sol. Mas nessa pandemia, ela voltou a fazer o que sempre gostou para espantar a solidão, já que é viúva há 30 anos.

“Eu moro sozinha, então ocupo o tempo. Eu levanto de manhã, tomo meu café, preparo o que vou fazer de almoço e faço trança”, conta a senhora de mãos ágeis e habilidosas.

De onde vem a matéria prima

A palha de trigo, que é utilizada para fazer as tranças e montar os chapéus, vem de Saltinho, cerca de 96 km de Chapecó. Neuza, uma das filhas de dona Graciosa, é quem manda a palha já separada por tamanhos e limpas para que sua mãe faça bom uso na montagem dos chapéus.

Com as palhas molhadas, o primeiro passo é montar as tranças para depois costurar e montar os chapéus - Carolina Debiasi/ND
1 2
Com as palhas molhadas, o primeiro passo é montar as tranças para depois costurar e montar os chapéus - Carolina Debiasi/ND
Palha de trigo é separada por tamanhos pela própria filha de dona Graciosa, a Neuza, moradora de Saltinho - Carolina Debiasi/ND
2 2
Palha de trigo é separada por tamanhos pela própria filha de dona Graciosa, a Neuza, moradora de Saltinho - Carolina Debiasi/ND

“Plantamos o trigo para se entreter. Mandamos a palha para a minha mãe e ela faz os chapéus, com isso ela passa o tempo fazendo o que gosta”, conta Neuza. 

A idosa diz que perdeu as contas de quantos chapéus já montou ao longo de sua vida.  Isso porque um único chapéu de palha demora cerca de um dia para ser finalizado. Ele não é vendido, pois volta para o município de Saltinho para que a própria família utilize no campo.

A idosa aprendeu com sua mãe a fazer as tranças para os chapéus ainda quando era solteira e morava no Rio Grande do Sul – Foto: Carolina Debiasi/NDA idosa aprendeu com sua mãe a fazer as tranças para os chapéus ainda quando era solteira e morava no Rio Grande do Sul – Foto: Carolina Debiasi/ND

“Minha filha deixa separado o tamanho da palha que devo usar, algumas são mais finas e outras mais grossas. Para iniciar o chapéu tem que molhar a palha e começar a trança-las. Depois que a trança está pronta eu costuro a trança nas laterais até montar o chapéu”, explica a idosa.

Família grandiosa

Dona Graciosa e seu José Pagnussat tiveram 12 filhos, tendo um casal de gêmeos. Com o passar dos anos, a idosa foi agraciada com 27 netos. Mas a família não parou e vieram 35 bisnetos, sendo duas gêmeas e mais dois tataranetos gêmeos.

Vilmo Pagnussat acompanha a mãe na sua rotina diária quase todos os dias e se sente orgulhoso por ter uma mãe com quase 90 anos ainda ativa nos seus afazeres – Foto: Carolina Debiasi/NDVilmo Pagnussat acompanha a mãe na sua rotina diária quase todos os dias e se sente orgulhoso por ter uma mãe com quase 90 anos ainda ativa nos seus afazeres – Foto: Carolina Debiasi/ND

Um dos filhos gêmeos de dona Graciosa é Vilmo Pagnussat, que cuida da mãe todas as noites. Para ele, ter uma mãe com quase 90 anos e ainda super ativa é motivo de orgulho para todos da família.

“Para nós da família que acompanhamos isso de perto é um orgulho porque com quase 90 anos ela ainda usa do tempo para montar os chapéus. É algo que ela gosta e achamos isso muito bom”, finaliza o filho.

Dona Graciosa aparece ao lado dos tataranetos gêmeos – Foto: Arquivo pessoal/Divulgação NDDona Graciosa aparece ao lado dos tataranetos gêmeos – Foto: Arquivo pessoal/Divulgação ND

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Chapecó e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Cultura

Loading...