João Paulo Messer

Política, economia, bastidores e tudo que envolve o cotidiano e impacta na vida do cidadão de Criciúma e região.


Cidade do Sul pode tornar filho seu ‘persona non grata’

Professor da UFSC pode ser processado por resultado de estudo a respeito da sua terra natal

Tudo inicia por volta do ano de 1890, quando colonizadores europeus chegaram às terras ocupadas por indígenas no Sul de Santa Catarina. Um dos responsáveis pela medição de terra, o agrimensor italiano Natale Coral e outros, iniciam a medição de uma das áreas mais ricas do sul do país, entre elas a região hoje denominada Nova Veneza.

Nela atua Coral e nela nasce o professor Waldir Rampinelli. Passam-se 130 anos e a inauguração de uma praça gera uma grande polêmica.

Projeto para quando a Praça Natale Coral, em Nova Veneza, estiver concluída. – Foto: Nicola Gava/Estudioso da cultura ítalo-brasileira.Projeto para quando a Praça Natale Coral, em Nova Veneza, estiver concluída. – Foto: Nicola Gava/Estudioso da cultura ítalo-brasileira.

A praça Natale Coral, por lei aprovada em 2020 e instalada no mesmo ano, recebe a contestação do professor neoveneziano Waldir Rampinelli. Ele diz que a cidade está homenageando um “bugreiro”, expressão usada para identificar os matadores de índios da época. Sugere estudos e até depoimentos pessoais que teria ouvido de seus antecessores. A declaração provocou reação da comunidade quase toda ela filha de descendentes de imigrantes como Coral e o próprio Rampinelli.

Depois de publicar um vídeo acusando o Executivo e o Legislativo de homenagear o que classifica de genocida, Waldir Rampinelli se transforma em pessoa duramente atacada em sua terra natal. Nas redes sociais os ataques são feitos inclusive por familiares seus.

O prefeito e os vereadores não se manifestaram sobre o assunto, mas o idealizar da praça e os familiares, através do tataraneto de Natale Coral, mostram toda sua indignação. Irão processar o professor se ele não retirar as afirmações.

O advogado Edmilson Mondardo, admite que a família irá apoiar se algum dos atuais vereadores propuser a aprovação de lei que torne o professor “persona non grata” em sua terra natal. Hoje, sem título é assim que ele é considerado na cidade.

A praça Natale Coral segue recebendo incrementos como um espaço que será de homenagem aos índios xokleng, que ocupavam a região quando aqui chegaram os imigrantes europeus.