Cronista policial, Gil Gomes foi líder de audiência

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O estilo único de narrar um crime nas telas, fruto de carisma e habilidade com as palavras simples, deixou o nome de Gil Gomes cravado na história da televisão e do jornalismo brasileiro.

O paulistano da Mooca, que pensou em ser médico, sabia como poucos contar histórias, reforçando elementos trágicos e de suspense. Sua maior escola havia sido o auge do rádio. Ouvindo e imitando outros grandes comunicadores, ele conseguiu superar seu trauma de infância: a gagueira. O treino deu certo e ele começou a fazer locuções de quermesses.

Ao atingir a maioridade, passou a narrar jogos de futebol, na Rádio Progresso. Até que anos depois, em 1968, criou a locução única de repórter policial ao cobrir ao vivo um caso de agressão sexual que foi recorde de público na Rádio Marconi. A partir daí, Gil Gomes enfrentou censura e até 30 prisões, como já contara, por causa de reportagens que desagradavam a ditadura militar.

Em 1991, teve a grande chance: foi convidado pelo SBT para integrar o noticiário Aqui Agora, com o qual Silvio Santos renovou e popularizou seu jornalismo. Com camisas chamativas, voz inigualável, gestual específico e profundas pausas, Gil Gomes tornou-se rosto conhecido do grande público no país. As reportagens eram sucesso de audiência, com sua assinatura ao fim de cada matéria: “Gil Gomes, Aqui Agora”.

O jornalista acabou virando obsessão de humoristas, que faziam de tudo para imitá-lo, o que o tornou ainda mais famoso. Na televisão, além do SBT, teve passagens por Record, Gazeta e RedeTV!.

Sua última grande aparição nas telas foi em 2014, quando, já lutando contra o mal de Parkinson, deu entrevista no Domingo Show da Record.

Bastante debilitado da doença e com um câncer de fígado recém-descoberto, o jornalista morreu nesta terça-feira (16), aos 78 anos, no Hospital São Paulo. Gil Gomes deixou quatro filhos, seis netos e duas bisnetas.

+

Cultura

Loading...