Moacir Pereira

Notícias, comentários e análises sobre política, economia, arte e cultura de Santa Catarina com o melhor comentarista politico de Santa Catarina. Fundador do Curso de Jornalismo da UFSC, da Academia Catarinense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, é autor de 53 livros publicados.


Jornalista homenageia o Dia do Funcionário Público

Servidor concursado há 26 anos, Jairo Cardoso dá um depoimento sobre a data

Hoje, 28 de Outubro, é o Dia do Funcionário Público. Parabéns a todos os colegas; que colhamos nosso dia, entregando nosso trabalho, ainda que falem muito mal de nós.

Sou funcionário há 26 anos. Desde o primeiro momento, tenho ouvido toda sorte de reclamações. Faz parte de nosso cotidiano. O cidadão tem o direito de reclamar, afinal é ele que nos paga.

Agora, uma coisa é a reclamação do usuário do serviço público no balcão, na escola, no hospital, na polícia, na justiça. Outra é a campanha difamatória da propaganda patrimonialista, que só tem má-fé.

Nestes 26 anos de carreira, nunca tratei ninguém com desigualdade. Políticos, empresários e “digital influencers” (não todos, há muita gente correta, sim, nesse meio) se apresentam como se tivessem direito a alguma preferência, mas não têm. Devem pegar sua senha e esperar na fila do guichê. A única preferência é para idosos, mulheres grávidas e portadores de deficiência. Eles podem ser atendidos antes dos outros, porque isso está na Lei.

Esses supostos “mais iguais que os outros” podem até considerar isso uma afronta. Que se danem. Sou concursado e estável. E, pelo menos enquanto vigoraram os princípios constitucionais do concurso público e da estabilidade, é assim que vai ser.

Nesses 26 anos, nunca faltei a um dia de trabalho. Os afastamentos por motivos de saúde foram raros (que bom). Nunca recebi um centavo além de minha remuneração legal (que é boa, reconheço, e me permite uma vida digna; desejo que seja assim para todos os trabalhadores).

Também sou marido, filho, irmão e genro de funcionários(as). Só tenho visto honestidade e responsabilidade. São meu maior exemplo.

As restrições da pandemia me obrigaram a fazer o trabalho em casa. A tecnologia atualmente permite isso. Mas, olhem, tenho trabalhado até mais e sem o convívio com os colegas da repartição. Saudades deles e dos bolinhos de aniversário nas copas.

Admito que a situação está complicada para nós. Muita difamação, isso irrita, mas dá um cansaço e uma preguiça. Sigo vivendo de acordo com minha consciência.

O Brasil teve grandes funcionários públicos: Machado, Graciliano, Drummond, João Cabral e Vinícius. Foram tão excelentes na literatura quanto na carreira pública. Parabéns a eles também.

Hoje também é o Dia de São Judas Tadeu, o santo das causas impossíveis. Acendi uma vela, vai que ilumine a cabeça desses políticos. Sou agnóstico, pero no mucho.

=

Cardoso é Chefe da Assessoria de Comunicação da Justiça Federal – Foto: Divugaçao