Laudelino Sardá

Causos da Ilha, seus personagens, histórias e momentos do cotidiano de Florianópolis com quem conhece os cantos da Capital de Santa Catarina.


UFSC bem acima das diferenças

Hamilton Savi, pró-reitor de Extensão da UFSC nos anos 80, vivia a inquietação de uma universidade essencialmente participativa

O telefone do gabinete toca e o reitor Ernani Bayer atende: “Pois não”.

– Savi? Poxa, estou te procurando desde cedo!

– Ernani, estou em Seara, aqui no Oeste.

– O que estás fazendo aí?

Centro de Cultura e eventos da UFSC – Foto: Leo Munhoz/NDCentro de Cultura e eventos da UFSC – Foto: Leo Munhoz/ND

– Pois é, li no jornal que a Universidade de Washington estava querendo comprar o maior museu de insetos da América Latina, que o pesquisador Fritz Plaumann construiu aqui em Seara. Mas já resolvi. Comprei o Museu para a UFSC.

– O quê? E quem vai pagar?

– Ernani, a gente dá um jeito!

Hamilton Savi, pró-reitor de Extensão da UFSC nos anos 80, vivia a inquietação de uma universidade essencialmente participativa. E a prefeitura de Seara acabou assumindo o Museu, uma das grandes atrações do Oeste catarinense.

Além disso, ao longo dos seus 62 anos, a UFSC restaurou casas centenárias de Laguna e afortaleza da Ilha de Anhatomirim; plantou a semente da transformação de Floripa em um dos mais avançados polos tecnológicos do Brasil; construiu o Hospital Universitário; desenvolveu e aplicou estudos sobre a maricultura, o meio ambiente, a arquitetura urbana e tantos outros,interiorizou-se,enfim, é uma universidade participativa.

Contudo, no choque de opiniões na internet e veículos de comunicação de massa, sobram tentativas de enegrecer a imagem da instituição, que está entre as melhores do país. A UFSC sabe conviver com as diferenças de pensamento, até porque, para uma universidade de qualidade, é importante sustentação da democracia.

Assim, em respeito a dezenas de professores que ajudaram a construir a UFSC, a começar por João David Ferreira Lima, e aos milhares de estudantes e funcionários, os críticos deveriam contribuir para o seu aprimoramento, e não arrotar agressões verbais. A UFSC é um ambiente democrático, do qual só se desvia quem tenta arranhar seu nome para subir no estrado da exibição.

Enquanto isso na praia da Cachoeira

– Venanço, tu estudou na UFSC?

– Eu não fiz faculdade, mas meus filhos e netos,sim. Fico triste quando vejo porradinhas na nossa Universidade. Ela faz parte da nossa vida.

– É mesmo, Venanço, tem gente que não sente ela, né?

– Lelo, não te preocupa não, essa gente não vai azedara nossa Universidade. É coisa do momento brasileiro.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...