Ministra Damares Alves processa Ciro Gomes por calúnia e difamação

Titular do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos foi chamada de "bandida" pelo ex-candidato à Presidência da República

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, entrou com uma ação judicial contra o candidato à Presidência da República pelo PDT em 2018, Ciro Gomes.

O processo foi protocolado na sexta-feira (27) – Foto: José Cruz/Agência Brasil/Divulgação/NDO processo foi protocolado na sexta-feira (27) – Foto: José Cruz/Agência Brasil/Divulgação/ND

O processo de calúnia, injúria e difamação, protocolado na sexta-feira (27), foi distribuído à 8ª Vara Criminal de Brasília, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios.

Ciro chamou Damares, durante uma entrevista, de “bandida nazifacista”. A declaração ocorreu em referência ao suposto apoio da ministra aos atos antidemocráticos ocorridos na capital federal, no mês de junho deste ano.

Em agosto, Damares já havia informada que iria processar o ex-governador do Ceará, mas a iniciativa só foi formalizada na semana passada.

O advogado de Damares nesse processo, Hazenclever Lopes Cancado disse à coluna Grande Angular que também vai entrar com uma ação no âmbito cível na qual deve pedir indenização.

Na petição inicial, a defesa de Damares citou que o vídeo com as ofensas de Ciro foi visualizado, até 21 de agosto, por 110.057 pessoas no YouTube, sem contar com o alcance do compartilhamento em outras redes sociais.

“Por ser uma pessoa pública, sendo a querelante [Damares] considerada uma referência no combate à pedofilia e à proteção da infância, tendo levado ao protagonismo a voz de milhares de crianças com deficiência vítimas do infanticídio indígena, o grande alcance e repercussão do ato denegriu gravemente a imagem social da querelante, bem como ofendeu-lhe a dignidade”, escreveu a defesa da ministra.

A coluna tenta contato com a assessoria de Ciro Gomes. O espaço permanece aberto para eventuais manifestações.

+

Direitos

Loading...