Edital de indenização da Casan desagrada moradora

A professora Amanda Zuffo Nicoleit, uma das moradoras atingidas pelo desastre ambiental na Lagoa da Conceição, não gostou do edital com a proposta de indenização

Amanda Zuffo Nicoleit é de uma das pessoas que teve a casa alagada na servidão Manoel Luiz Duarte, na Lagoa da Conceição, em Florianópolis na última segunda-feira (25). Nesta quinta-feira (28), ela saiu insatisfeita de uma reunião onde conheceu o edital de indenização da Casan, destinado aos atingidos no desastre ambiental que ocorreu no início da semana.

Casa de Amanda Zuffo Nicoleit tomada pela lama; ela está insatisfeita com o edital de indenização da Casan – Foto: Divulgação/NDCasa de Amanda Zuffo Nicoleit tomada pela lama; ela está insatisfeita com o edital de indenização da Casan – Foto: Divulgação/ND

“É importante destacar que nada relacionado ao dano moral está previsto. Essa é a nossa principal questão em relação ao edital. Não é uma questão do valor em si, mas o edital não está cobrindo todas as áreas atingidas, só a parte material. O dia de trabalho das pessoas não vai ser contabilizado, por exemplo”, questiona Amanda.

Indenização da Casan está previsto em edital

Na parte da manhã, a Casan fez uma reunião interna e, à tarde, se reuniu com os moradores para apresentar o edital de indenização. A estatal anunciou, também, que está iniciando um adiantamento financeiro no valor de R$ 10 mil às famílias atingidas.

“Esses R$ 10 mil estariam atrelados ao edital. Vai ser um adiantamento do valor final da indenização”, informou Amanda. Segundo ela, quem pegar o dinheiro, estará preso ao edital.

Ela também não concorda com o fato de que a Casan seria responsável por inventariar todos os bens e dar o norte de como será a indenização: “nós, enquanto moradores, pouco ou quase nenhum poder teríamos para conseguir contestar essa questão”, disse Amanda.

A família dela mora bem no meio da servidão Manoel Luiz Duarte, a mais atingida no desastre ambiental de responsabilidade da Casan. Na segunda-feira (25), um lago artificial da estatal rompeu por conta da chuvas, causando o alagamento.

Reunião convocada pelos moradores

O principal objetivo do encontro com os moradores, segundo a assessoria da Casan, era justamente o de apresentar o edital de auxílio emergencial aos moradores e tirar eventuais dúvidas.

“Os moradores também pediram informações sobre a continuidade das ações assistenciais, operacionais, de vistorias e cadastramento realizadas pela Casan”, informou a assessoria.

Cerca de seis representantes da Casan, contando com um advogado e uma assistente social, participaram do encontro que começou às 14h15 e acabou às 16h45.

No dia seguinte à tragédia, pai e filha atingidos no desastre ambiental voltaram para casa a fim de contabilizar os danos – Foto: Ana Vaz/NDTVNo dia seguinte à tragédia, pai e filha atingidos no desastre ambiental voltaram para casa a fim de contabilizar os danos – Foto: Ana Vaz/NDTV

Em uma hora e meia, os moradores expuseram seus pontos, entre os quais, cobrar questões emergenciais, principalmente relacionadas a limpeza e higienização das residências.

Os moradores também falaram sobre energia elétrica, pois a Celesc restabeleceu a energia, mas a utilização ainda não está segura e várias pessoas tomaram choque.

Também foi conversado sobre o acolhimento às famílias: “muitas continuam nas suas casas porque o acolhimento é no centro, em local distante, e as famílias continuam em risco por isso, uma questão preocupante”, disse Amanda.

Contraponto da Prefeitura de Florianópolis

Procurada pela reportagem, a Prefeitura de Florianópolis informou que entregou mais de 1000 doações para os moradores atingidos. A entrega, segundo a Prefeitura, foi em parceria com a Somar Floripa, a Defesa Civil e a Secretaria Municipal de Assistência Social.

A assessoria também disse que Secretaria de Infraestrutura e Floram – órgãos ligados à Prefeitura – não receberam convite para estar no encontro. A informação conflita com o relato da moradora, segundo ela, a Secretária de Infraestrutura foi contactada, mas não mandou representante.

Retificação do edital

Na visão de Amanda Zuffo Nicoleit o resumo da reunião desta quinta (28) é que ela foi “nada satisfatória” e o edital fica abaixo das expectativas dos moradores em várias questões.

“Insistem que não é um edital pronto, mas os documentos que estão em anexo deixam muito claro que é um texto final. Se a gente cair na besteira de assinar, vamos perder tudo praticamente”, teme Amanda. Ela falou que os moradores estão analisando o edital com mais profundidade e amparados por assessoria jurídica.

Ela também disse que uma nova reunião entre moradores e a Casan será realizada na próxima sexta-feira (29), às 15h, para fazer correções no edital. Mesmo assim, segundo ela, a Casan vai montar uma tenda na Servidão, antes da nova reunião, para que os moradores assinem o edital.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.