Catarinense Tiago Splitter é destaque do basquete brasileiro

Sobrevivência

 Viver em Londres custa uma boa grana, muito por culpa das Libras Esterlinas, a moeda inglesa. Hoje cada Libra está valendo algo em torno de R$ 3,20. Mesmo assim, algumas coisas por aqui são bem mais baratas que no nosso querido Brasil. Segue uma pequena lista com alguns itens básicos para a (minha) sobrevivência na Terra da Rainha. Barato: roupas em geral, calçados, acessórios (bolsas, óculos, relógios, bonés, etc), produtos de higiene, discos e livros. Caro: alimentação, eletrônicos, aluguel, eventos culturais (shows, cinema, teatro, mas vale lembrar que muitos museus têm entrada free) e remédios. O transporte não é barato, mas funciona que é uma beleza.
 
É nosso

Divulgação/ND

O catarinense Splitter

O time de basquete masculino do Brasil vem fazendo bonito na Olimpíada. Pensar em medalha de ouro é complicado, pois o Dream Team norte-americano está na área e no caminho dourado. Mas vale destacar que a equipe brasileira venceu os dois jogos que disputou até agora, contra Austrália e Grã-Bretanha. Hoje o Brasil encara a Rússia (pedreira) e ainda tem pela frente no grupo B, a Espanha e a China. Adivinha quem está quebrando tudo e é o destaque verde-e-amarelo até agora nas quadras? Tiago Splitter, catarinense de Blumenau, jogador do San Antonio Spurs, da NBA. Esse é nosso!!!
 
Entender como?

O governo inglês afirma que mais de 1 milhão de visitantes devem passar por Londres durante a Olimpíada. A imprensa diariamente contesta esse número. Na TV e jornais nos últimos dias, várias matérias destacando a pouca ocupação nos hotéis, o fraco movimento no comércio e até algumas arenas e complexos esportivos com cadeiras vazias. Alunos do exército britânico foram convocados para ocuparem esses lugares e ficam lá, sentados, mexendo nos celulares. A cidade parece estar mais cheia do que nunca e os ingressos para as competições estão mais raros que nota de R$ 3. Vai entender a Terra da Rainha.

Superação

Marcelo Cabral/ND

Luís Soares está em Londres desde 1989

Imagina uma pessoa sair do Brasil, e se jogar para Londres em busca de dias melhores. Pois foi exatamente isso que Luís Soares fez. Em 1989, ele desembarcou em Londres. Sem conseguir um emprego com carteira assinada, se aventurou a vender amendoim em Oxford St. De tanto os conterrâneos perguntarem onde tinha arroz e feijão, pensou: por que não. Abriu um restaurante com o nome Feijão do Luis. Um sucesso absoluto. A  matéria completa na RICTV Record e Record News de hoje.

Tradição 

Os taxis londrinos são uma tradição no Centro de Londres. Eles também podem ser chamados de Cabs. É um meio de transporte muito utilizado em uma cidade, que tem uma das melhores mobilidades urbanas do Mundo. Os carros, de modelo Austin FX4, chamam a atenção por onde passa. E os modelos têm bancos de frente e de costas, e a parte do passageiro é dividida da do condutor. Os anos passaram, mas os ingleses preservam as suas raízes.