Londres está cheia de brasileiros

Marcelo Cabral/ND

Missão Londres

Gentarada 

Impressionante. Essa é melhor definição que achei pra descrever o número de brasileiros que encontramos em Londres. Parece pardal, aquele pássaro bem comum nos bairros de Floripa. E eles vem de todos os cantos. O mineiro Paulinho (foto) está há oito anos na Inglaterra. Ele trabalha numa pizzaria em Picadilly Circus, no coração da cidade. Mas confessou que pensa em voltar em breve para boa terra. Pode ter certeza que esse é o desejo de muitos. Gente fina, nos “emprestou” a internet para uma emergência virtual. 

Jornada nas estrelas 

Quanto tempo demora o click de uma foto? A manobra completa de apontar a câmera e disparar o botão deve durar algo em torno de 10 segundos. Sei que ninguém é obrigado a tirar fotos com ninguém, é fato. Mas fiquei triste quando encontrei na porta do hotel da seleção um ex-craque do vôlei brasileiro, aquele que costumava apavorar os adversários nos anos 80 com o perigoso saque “Jornada nas Estrelas”. Sempre fui fã do cara e logo falei: “Professor posso tirar uma foto para a nossa coluna do Notícias do Dia?”. Ele respondeu com uma verdadeira cortada de vôlei: “Não dá, tô atrasado”. Pôxa teacher… uma “fotinho”? 

 

Marcelo Cabral/ND

Missão Londres


Ele é o cara 

A seleção brasileira não terá nenhum atleta catarinense disputando a Olimpíada. Por outro lado, o nosso estado tem um chefão com moral colocando a casa em ordem em um time com muitas estrelas. Sim, o homem do charuto está aqui. Delfim Pádua Peixoto Filho é forte. Ele é o chefe da delegação. Mas não temos como negar, assim que viu a dupla de manezinhos Clayton Ramos e Marcelo Mancha, foi só simpatia. Deixou de lado até o papo cabeça que estava batendo com o técnico Mano Menezes pra nos atender. A entrevista vai ao ar no próximo sábado no clube da bola direto de Londres. Alô Doutor!!! 

Marcelo Cabral/ND

Missão Londres

Trem bão 

Já andamos de avião em Londres. Também desvendamos os segredos do metrô. Rodamos pela city de táxi. Até naqueles ônibus de dois andares já demos uma volta. Ontem tivemos o prazer de fazer um trajeto de trem. Fomos até a simpática e bucólica St. Albans, cidade que fica há uns 40 km do centro de Londres para acompanhar o primeiro treino da seleção. Não era um trem bala, mas era um “trem bão”, diria o mestre Rui Guimarães. Primeiro mundo, confortável, relativamente barato (cerca de 30 reais ida e volta), veloz e prático. Marrento Raul Seixas disse em uma de suas músicas o seguinte: “quem não tem colírio, usa óculos escuro’’. Quando Neymar nasceu, o lendário roqueiro brasileiro já tinha falecido há um bom tempo. Mas ele segue a moda dos boleiros atuais. O certo é que o estilo mega star do atacante da seleção não agradou nem um pouco o pessoal de imprensa aqui em Londres. Resultado: o craque foi chamado de marrento. O que não é muito diferente do Brasil.