Obras de restauro da Casa Fleith serão retomadas hoje

O trabalho é patrocinado pelo Iphan (Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e vai consumir R$ 392 mil

Fabrício Porto/ND

Nova etapa compreende a confecção e instalação de placas, construção do alojamento de funcionários e montagem de cobertura provisória

As obras na Casa Fleith, em Pirabeiraba, que começaram em fevereiro, ficaram paradas na última semana, mas estão seguindo o cronograma e devem ser finalizadas até dezembro. A empresa responsável pelo trabalho é a Tecville, de Curitiba, que vai recomeçar a restauração hoje. Nos últimos dias, a equipe concentrou as ações na capital paranaense para providenciar os ajustes necessários no madeiramento que será empregado na recuperação das estruturas do enxaimel. São peças como esteios, barrotes e frechais que já foram enviadas para Joinville.

O trabalho é patrocinado pelo Iphan (Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e vai consumir R$ 392 mil para a restauração da edificação, elétrica, hidráulica, cobertura e piso da casa. O projeto foi desenvolvido pela Fundação Cultural de Joinville e custou R$ 14 mil. Segundo Fabiano Teixeira dos Santos, chefe do escritório técnico do Iphan em São Francisco do Sul, a equipe da Tecville que atua na obra foi devidamente orientada sobre os cuidados a serem tomados durante o restauro. “É uma empresa experiente, que já realizou outros serviços de restauração em edifícios históricos. A orientação é sempre manter ao máximo os elementos originais da edificação”, afirma. Quando não é possível manter estes elementos, explica Fabiano, deve-se substituí-los por materiais novos de qualidade similar, visando o bom funcionamento da edificação.

Como a obra de restauro começou no mês passado, até agora foram feitos serviços preliminares, como a instalação do canteiro de obras. Esta etapa compreende a confecção e instalação de placas, construção do alojamento de funcionários e montagem de cobertura provisória, necessária para a proteção da edificação enquanto transcorrerem os trabalhos. “Também ocorreu o desmonte do telhado, permitindo a revisão geral do estado de conservação em que se encontram as estruturas”, explica.

Cuidados para preservação histórica

A cobertura provisória sobre a da Casa Fleith serve para proteger a edificação enquanto ocorrem os trabalhos. “De forma independente das estruturas antigas, sem interferir na obra, foi a maneira prática, rápida e totalmente reversível encontrada para proteger o ambiente. Por isso, a instalação de pilares metálicos sobre fundações de concreto, apoiando lonas resistentes amarradas por cabos de aço, sempre mantendo um afastamento do perímetro da casa”, explica Fabiano. A estrutura que cobre a residência é semelhante a uma lona de circo sobre a casa, que protege o imóvel da chuva e do vento enquanto ocorre a obra.

Depois que o restauro do telhado for concluído, que incluirá a substituição do madeiramento comprometido por cupins e infiltrações, esta cobertura será removida. “As telhas originais serão limpas e reutilizadas sempre que possível. Aquelas que estiverem quebradas serão substituídas por telhas novas, porém de características similares às originais”, fala Fabiano.

Semanalmente, a equipe do Iphan visita a obra para, em contato com os funcionários da Tecville, solucionar dúvidas e problemas. Segundo Fabiano, a importância desta primeira etapa do trabalho reside no fato de permitir a real compreensão do estado em que se encontra a construção, subsidiando a definição dos procedimentos técnicos para cada situação e a quantidade de madeira a ser empregada no restauro das estruturas, soalhos, forros e telhado.

Acesse e receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Diversão