Múmia de faraó morto há 3,5 mil anos é virtualizada e detalhes surpreendem cientistas

Pesquisa com o corpo da múmia foi feita no Cairo, no Egito; pesquisadores não conseguiram descobrir causa da morte do faraó

Pesquisadores egípcios desembrulharam uma múmia de mais de 3,5 mil anos de idade na última semana. O corpo pertencia ao faraó Amenhotep 1º, que viveu entre os anos de 1525 a.C a 1504 a.C. Todo o processo foi feito de forma virtual, para não danificar a estrutura do sarcófago.

Múmia que possui mais de 3,5 mil anos é “escaneada digitalmente” – Foto: Frontiers in Medicine/Divulgação/NDMúmia que possui mais de 3,5 mil anos é “escaneada digitalmente” – Foto: Frontiers in Medicine/Divulgação/ND

Com a utilização de tomografias computadorizadas, os cientistas puderam perceber detalhes nunca antes notados na múmia. Ela havia sido encontrada no século 19, mas até então ninguém ousou abrir o sarcófago por conta da sua riqueza de detalhes.

Entre o que foi descoberto com os estudos, estão aspectos da vida e da morte do faraó, segundo a professora de radiologia da Universidade do Cairo, Sahar Saleem.

“Analisando digitalmente a múmia e ‘desembrulhando’ as suas camadas virtuais – a máscara facial, as faixas e a múmia em si -, conseguimos estudar esse faraó bem conservado com detalhes sem precedentes”, destacou.

Corpo estava preservado no sarcófago – Foto: Frontiers in Medicine/Divulgação/NDCorpo estava preservado no sarcófago – Foto: Frontiers in Medicine/Divulgação/ND

Amenhotep 1º

Segundo a pesquisa, o faraó Amenhotep 1º tinha 35 anos quando morreu, dentes bem cuidados e 1,69 metros de altura. Características como nariz pequeno e fino, cabelo enrolado e dentes superiores não protuberantes o colocaram em semelhança com a múmia de seu pai, Amósis 1°.

Os cientistas comprovaram que ele foi mumificado com o cérebro, o que é raro no Egito. Os braços do faraó estavam cruzado em frente ao corpo, como é comum entre a realeza da época. Entretanto, apesar da vastidão de detalhes, não foi possível identificar a causa da morte do faraó.

Correções foram feitas no corpo da múmia quando ele foi mumificado pela segunda vez – Foto: Frontiers in Medicine/Divulgação/NDCorreções foram feitas no corpo da múmia quando ele foi mumificado pela segunda vez – Foto: Frontiers in Medicine/Divulgação/ND

Isso porque nenhuma lesão ou deformação física foi encontrada no corpo dele. Um detalhe interessante é de que os cientistas confirmaram um rumor que serpenteava no Egito há muito tempo: o corpo do faraó foi mumificado duas vezes.

Amenhotep 1º teve sua segunda mumificação durante a 21ª dinastia egípcia, cerca de quatro séculos depois de sua governança. Nela, os sacerdotes prenderam o corpo novamente em uma faixa de linho com resina, além de terem arrumado um “defeito” no abdômen da múmia, e envolverem o braço esquerdo que havia sido separado do corpo.

Amenhotep 1º governou o Egito por cerca de 21 anos, tendo sido o segundo rei da 18ª dinastia. Seu reinado foi bastante pacífico e inúmeros templos às divindades foram construídos.

Crânio foi virtualizado, e maiores detalhes do corpo puderam ser notados pelos pesquisadores – Foto: Frontiers in Medicine/Divulgação/NDCrânio foi virtualizado, e maiores detalhes do corpo puderam ser notados pelos pesquisadores – Foto: Frontiers in Medicine/Divulgação/ND
+

Documentos

Loading...